22:21 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    214
    Nos siga no

    O governo da Alemanha endossou um projeto de lei que deve fortalecer os esforços para combater o extremismo de direita e os crimes de ódio, declarou Ulrike Demmer, porta-voz do governo, nesta quarta-feira.

    "O governo alemão concordou com um projeto de lei que visa fortalecer a luta contra o extremismo de direita e os crimes de ódio no futuro", comentou Demmer em entrevista coletiva.

    Ainda de acordo com a porta-voz, o projeto de lei deve melhorar a implementação de medidas similares adotadas pelo governo alemão em outubro passado, após o tiroteio na sinagoga na cidade de Halle.

    Em seguida, o governo ordenou que grandes redes sociais se reportassem a um departamento especial da polícia criminal sobre quaisquer ameaças de morte e incitação ao ódio. As redes que não cumprirem o pedido serão multadas.

    O novo projeto de lei visa suplementar uma série de artigos existentes do código criminal. Por exemplo, a proteção contra a calúnia dos políticos locais será estendida, enquanto os trabalhadores de emergência também receberão proteção contra ameaças e violência.

    O artigo sobre graus de punição será complementado por uma disposição que lista o antissemitismo como motivo criminoso – um acréscimo à legislação local que já pune crimes relacionados às manifestações nazistas no país.

    Merkel descarta coalizão com a AfD

    A chanceler da Alemanha, Angela Merkel.
    © Sputnik / Sergei Guneev
    A chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

    A chanceler alemã Angela Merkel descartou nesta quarta-feira que seus conservadores e aliados socialistas nunca uniriam forças com o espectro mais à direita da política do país, o partido Alternativa para Alemanha (AfD).

    "É verdade para o partido ao qual pertenço, mas também para os outros partidos da coalizão que não trabalhamos com a AfD. Este é o resultado de nossa consideração da agenda do partido", disse ela.

    Merkel, que conversou com repórteres ao lado da primeira-ministra finlandesa Sanna Marin em Berlim, evitou uma pergunta sobre se ela via uma ameaça à democracia europeia na coalizão de centro-direita da Finlândia.

    A disputa sobre a extensão em que a AfD anti-imigrante pode participar da política alemã entrou em erupção depois que se alinhou ao ramo da CDU de Merkel, no estado oriental da Turíngia, para votar em um premiê liberal.

    A chanceler considerou o resultado da votação imperdoável, aumentando a pressão pública sobre o chefe de estado eleito, Thomas Kemmerich, para renunciar. Assim, Turíngia está caminhando para uma nova eleição regional.

    Mais:

    'Aquecimento global é real': Merkel pede novos hábitos em mensagem de Ano Novo
    Ativistas climáticos invocam Constituição alemã para processar governo de Merkel
    Merkel diz esperar que conferência em Berlim garanta cessar-fogo na Líbia
    Tags:
    Alternativa para a Alemanha (AfD), crimes de ódio, antissemitismo, política, Angela Merkel, nazismo, direita conservadora, extrema direita, extrema-direita, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar