03:17 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    441
    Nos siga no

    O presidente italiano, Sergio Mattarella, advertiu em encontro com o seu homólogo israelense, Reuven Rivlin, sobre a necessidade de se manter atento aos perigos do antissemitismo, da violência e do fascismo.

    A declaração foi dada durante uma cerimônia do Fórum Mundial do Holocausto, nesta quinta-feira, em Jerusalém. Ao comentar a importância do evento em Israel, Mattarella disse que seria uma "advertência ao mundo inteiro para nunca baixar a guarda contra o antissemitismo, a violência e o fascismo". 

    ​Segundo o presidente da Itália, o seu país tem consciência da necessidade de afirmar constantemente o combate a esse tipo de ódio porque também teve sua "página sombria, particularmente grave," na história.

    Mais de 40 líderes, incluindo chefes de Estado e de governo, participaram hoje da cerimônia principal do Fórum Mundial do Holocausto, no Museu do Holocausto de Jerusalém, por ocasião do aniversário de 75 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz, realizada pelas forças do Exército Vermelho da União Soviética. 

    ​Nesse campo, localizado no sul da Polônia e mantido pela Alemanha nazista entre maio de 1940 e janeiro de 1945, estima-se que 1,3 milhão de pessoas tenham sido mortas por ordens do regime do fuhrer Adolf Hitler, sendo a grande maioria judeus.

    Mais:

    Netanyahu: Israel jamais esquecerá o papel da URSS na luta contra o fascismo
    Dilma Rousseff e Celso Amorim denunciam avanço do fascismo no Brasil
    'Temos tempo para reagir ao nascimento do fascismo na América Latina', diz Maduro
    Tags:
    Segunda Guerra Mundial, Alemanha, Polônia, União Soviética, URSS, Exército Vermelho, Holocausto, violência, antissemitismo, fascismo, nazismo, Adolf Hitler, Itália, Jerusalém, Israel, Reuven Rivlin, Sergio Mattarella
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar