14:16 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Fundador do WikiLeaks, Julian Assange (foto de arquivo)

    Assange foi alvo de torturas e violações de direitos, denuncia enviado da ONU

    © REUTERS / Peter Nicholls
    Europa
    URL curta
    344
    Nos siga no

    O editor do WikiLeaks, Julian Assange, foi submetido a "tortura psicológica" e seus direitos de devido processo legal foram "sistematicamente violados" por todos os Estados envolvidos, de acordo com o relator especial da ONU sobre Tortura, Nils Melzer.

    Dois médicos especialistas acompanharam Melzer quando ele visitou Assange na prisão de Belmarsh, no Reino Unido, declarou ele na terça-feira.

    "Chegamos à conclusão de que ele havia sido exposto a tortura psicológica por um período prolongado de tempo. Essa é uma avaliação médica", explicou o oficial da ONU.

    A mensagem de Melzer caiu amplamente em ouvidos surdos, pois apenas alguns repórteres compareceram à conferência de imprensa de terça-feira na sede da ONU em Nova York.

    Não foi a primeira vez que Melzer tentou chamar a atenção para a situação de Assange. Ele escreveu um artigo de opinião sobre o assunto em junho, apenas para encontrá-lo ignorado ou rejeitado pelos principais meios de comunicação, e acabou publicando cartas abertas aos governos dos EUA, Reino Unido, Equador e Suécia em julho.

    "Pedimos a todos os Estados envolvidos que investigassem esse caso e aliviassem a pressão exercida sobre ele, e especialmente respeitassem seus direitos de devido processo, que, na minha opinião, foram sistematicamente violados em todas essas jurisdições", prosseguiu Melzer. Nenhum país concordou em fazê-lo, acrescentou ele, embora essa fosse sua obrigação sob a Convenção sobre Tortura.
    Julian Assange é preso após ter seus status de asilado político revogado pelo Equador, em abril de 2019.
    © Sputnik / Ruptly
    Julian Assange é preso após ter seus status de asilado político revogado pelo Equador, em abril de 2019

    A polícia britânica arrastou Assange para fora da embaixada equatoriana em 11 de abril, depois que o governo do presidente Lenín Moreno revogou seu asilo, concedido em 2012. O editor do WikiLeaks passou quase sete anos dentro da embaixada em Londres, onde procurou refúgio e asilo contra os pedidos de prisão e extradição dos EUA, por acusações relacionadas à publicação em 2010 de documentos secretos do governo relacionados às guerras no Iraque e no Afeganistão.

    Assange, de 48 anos, foi preso - e depois preso por uma sentença de 50 semanas por evasão de fiança - na instalação de segurança máxima usada para abrigar terroristas, assassinos e outros criminosos de alto nível. Segundo informações, ele passou boa parte do tempo no hospital da prisão.

    Embora ele fosse ser liberado em 22 de setembro, um juiz decidiu que ele continuaria preso até as audiências de sua extradição para os EUA, agendadas para fevereiro de 2020. Se enviado para os EUA e condenado, ele pode pegar até 175 anos atrás das grades.

    Mais:

    Equador diz que há evidências de que Assange fez espionagem na embaixada em Londres
    Presidente do Equador usa Assange para obter 'proteção dos EUA', diz ex-chanceler
    Pamela Anderson: Julian Assange está preso, porque 'há muito mais segredos para manter'
    Tags:
    vazamentos, Equador, extradição, direitos humanos, tortura, ONU, prisão de Julian Assange, Julian Assange, Estados Unidos, Suécia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar