23:22 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Fundador do WikiLeaks, Julian Assange, é visto saindo de delegacia em Londres

    Assange seguirá preso pois justiça do Reino Unido teme nova fuga

    © REUTERS / Peter Nicholls
    Europa
    URL curta
    3314
    Nos siga no

    Em 22 de setembro, o fundador do Wikileaks, Julian Assange, terá cumprido metade de sua pena. Mas a Justiça britânica disse que não concederá liberdade condicional a ele por bom comportamento por temer uma fuga.

    Segundo as leis do país, ele poder entrar com pedido de liberdade ao chegar à metade de sua pena. No entanto, um tribunal de Westminster afirmou que ele permanecerá preso.

    A juíza do distrito londrino, Vanessa Baraiser, acredita que Assange poderia fugir, como já ocorreu quando o ativista pediu asilo na embaixada do Equador, local onde permaneceu por sete anos, para evitar ser deportado para a Suécia e Estados Unidos. 

    Investigação é arquivada em 2017 e reaberta em 2019

    Assange era investigado por supostos crimes de assédio sexual no país europeu. A Justiça sueca decidiu arquivar o caso em 2017, mas, em maio deste ano, ele foi reaberto. O fundador do Wikileaks decidiu continuar na Embaixada por temer uma extradição para os Estados Unidos, onde poderia ser julgado por traição.

    Assange foi condenado no Reino Unido por violar as condições de sua liberdade domiciliar em 2012, quando ele se refugiou na Embaixada do Equador com medo de ser enviado para a Suécia e depois aos EUA.  Em 2010, o Tribunal Superior de Londres tinha permitido que Assange fosse mandado para o país escandinavo, dando início a uma batalha judicial.

    “O senhor compareceu hoje nesta corte porque sua sentença está chegando ao fim, quando isso ocorrer, passará de ser um prisioneiro em serviço para uma pessoa que enfrenta uma extradição”, disse Baraiser.

    Julgamento de extradição marcado para 25 de fevereiro

    O julgamento de extradição de Assange para os EUA está marcado para 25 de fevereiro de 2020. Washington diz que ele vazou documentos secretos sobre operações do exército americano no Iraque e Afeganistão, acusação que pode acarretar numa pena de prisão perpétua. Especialistas, no entanto, dizem que ele poderia pegar no máximo 5 anos, por ter revelado informações verdadeiras como jornalista.

    Em 11 de abril deste ano, o Equador decidiu retirar o asilo concedido a Assange, que foi então preso pela polícia britânica por violação de sua condicional.

    Mais:

    Relator da ONU diz que Julian Assange apresenta sintomas de 'tortura psicológica'
    Assange não usou embaixada do Equador em Londres para espionagem, diz Correa
    Equador diz que há evidências de que Assange fez espionagem na embaixada em Londres
    Presidente do Equador usa Assange para obter 'proteção dos EUA', diz ex-chanceler
    Tags:
    deportação, wikileaks, justiça, EUA, Suécia, Reino Unido, Julian Assange
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar