14:11 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Fragmentos do avião MH17 durante apresntação de relatório na Holanda

    Grupo de investigação: sistema de mísseis que derrubou MH17 pertencia às forças russas

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Europa
    URL curta
    15627

    Promotores que investigaram o abatimento do avião civil da Malaysia Airlines sobre o Sudoeste da Ucrânia em 2014, afirmaram nesta quinta-feira (24), que o míssil foi lançado pelo sistema de defesa antiaérea Buk pertencente às Forças Armadas russas.

    Wilbert Paulissen, chefe do Departamento de Investigações da polícia holandesa, assinalou que o sistema pertencia à 53º Brigada de Defesa Antiaérea russa.

    "O grupo de investigação analisou todas as imagens disponíveis e chegou à conclusão que o sistema de defesa antiaérea Buk possui um conjunto de características únicas. Após uma investigação comparativa de vários Buk, foi estabelecido que o sistema […] pertencia à 53º Brigada de Defesa Antiaérea russa", afirmou ele durante apresentação dos resultados preliminares da segunda investigação do incidente.

    Além disso, Paulissen afirmou possuir uma ampla base de provas, mas que não pode ser divulgada no momento.

    No entanto, mais tarde o Ministério da Defesa russo declarou que a Rússia havia apresentado todas as provas, que foram confirmadas por testes em circunstâncias reais, e que claramente indicam o envolvimento dos sistemas de defesa antiaérea ucranianos Buk na destruição do avião comercial Boeing no céu da Ucrânia. Para além disso, no ministério sublinharam que nenhum sistema de mísseis das Forças Armadas russas atravessou alguma vez a fronteira russo-ucraniana.

    A Rússia realizou sua própria investigação. De acordo com uma delas, realizada pelo grupo Almaz-Antei, empresa especializada em fabricação de sistema de defesa antiaérea, incluindo os sistemas Buk, provou que o avião foi abatido do território controlado pelo exército ucraniano.

    "As conclusões da promotoria holandesa provam que a investigação é tendenciosa e politicamente motivada. Apontar para culpados sem nenhuma arbitrariedade e inventar resultados desejados tornou-se a norma para nossos colegas ocidentais", afirmou o Ministério das Relações Exteriores russo ainda em 2016.

    Apesar da Rússia, de fato, ser o único país a conceder informações confiáveis e revelar novos dados, a investigação continua ignorando tudo, assinalou a representante do ministério russo, Maria Zakharova.

    A diplomata russa frisou que as conclusões da promotoria holandesa são baseadas em dados concedidos pela Ucrânia, o país que tem interesse especial na investigação a seu favor.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik