14:15 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    5100
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (21), um centro representativo da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) foi inaugurado em Atenas, tendo como diretor um dos ativistas do movimento Salve Donbass (Save Donbass, em inglês) e jornalista, Andreas Zafiris.

    Zafiris tem ajudado os ativistas a recolher e enviar cargas com ajuda humanitária para os residentes das regiões prejudicadas pela guerra civil travada no Leste da Ucrânia. Sua organização presta assistência a duas escolas no território da RPD, onde é ensinado o idioma grego.

    "Já é a terceira representação que é aberta no território europeu. Já há [tais instituições] na Itália e na República Tcheca. Em um futuro breve, vamos abrir missões em outros países europeus", disse Safiris, frisando que "as representações não desempenham um papel diplomático, mas funcionam como órgãos de informação e comunicação".

    O jornalista acredita que o centro representativo possa ajudar a desenvolver os laços a nível cultural, individual e econômico entre a república autoproclamada e o país europeu do Sul.

    "Não nos esqueçamos de que na região de Donetsk vive uma grande comunidade grega, cerca de 100 mil pessoas. Financiamos uma escola grega lá. Infelizmente, o Estado grego não apoia esta comunidade grega significativa. Financiamos também o centro cultural em Gorlovka [cidade na região de Donetsk]", contou Zafiri, expressando a esperança de que a partir de agora seja mais fácil ajudar a região.

    Ex-ministro da Energia grego e o líder do partido Unidade do Povo Panagiotis Lafazanis desejou muito sucesso para a República Popular de Donetsk.

    "Desejamos vitória ao povo que luta pela soberania e independência. A vontade do povo de Donetsk é o mesmo que o daqui, na Grécia. Em um futuro breve, conseguiremos liberdade e independência. É a nossa luta também. Expressamos solidariedade com Donetsk e com a luta do seu povo", afirmou.

    A chanceler da RPD, Natalia Nikanorova, em um comunicado de saudação em nome de todos os residentes da república, agradeceu aos gregos a "contribuição para o desenvolvimento da República Popular de Donetsk como uma peça da comunidade internacional".

    Porém, a chancelaria grega se apressou em afirmar que não reconhece a representação da RPD em Atenas.

    "A Grécia nunca reconheceu a 'República de Donetsk' autoproclamada. Quaisquer ações que minem a integridade territorial da Ucrânia contradizem completamente à postura do governo grego quanto ao respeito da sua integridade territorial", declarou um representante oficial do Ministério das Relações Exteriores grego.

    Segundo o porta-voz, as mensagens das agências de notícias sobre instituição de uma representação "oficial" do Estado não reconhecido não tem nada a ver com a realidade.

    Andreas Zafiris, por sua vez, afirmou à Sputnik que a inauguração da representação é um evento que tem grande peso político na luta antifascista dos povos no Leste da Ucrânia e em outros países.

    O jornalista frisou que em 11 de maio de 2014, alguns meses depois do golpe neonazista em Maidan e distúrbios com ele relacionados, nas regiões separatistas de Donetsk e Lugansk foram realizados referendos de independência. Com taxa de comparecimento de até 75%, 89% da população votaram a favor e 10% contra. No dia seguinte, de modo unilateral, "foi instituída a República Popular de Donetsk soberana".

    Segundo ele, na época a guerra já se conduzia na região, e continua sendo travada hoje em dia, tendo levado vidas de dezenas de milhares de pessoas e levado à fuga de 1,6 milhões de refugiados. A despeito dos dois acordos de Minsk que visam estabelecer a paz no Leste da Ucrânia, a parte ucraniana "continua bombardeando as regiões civis", afirmou Andreas Zafiris.

    Em sua opinião, em 18 de fevereiro, a Rússia, de fato, reconheceu as repúblicas populares, sendo que reconheceu os documentos concedidos no respectivo território.

    "Claro que o processo de reconhecimento das repúblicas populares não é nada fácil. Mas os acontecimentos internacionais não param", concluiu, adiantando que o caminho palestino foi, em algum instante, parecido.

    "Indiferentemente da postura do governo grego — reconhecer ou não reconhecer as repúblicas populares — há reconhecimento na mente do povo grego. E isto é o mais importante", concluiu.

    Mais:

    FMI adia a revisão da cooperação com a Ucrânia em resposta ao bloqueio de Donbass
    Poroshenko reconhece que Ucrânia perdeu toda a influência sobre Donbass
    Tentativa de avanço da Ucrânia sobre Donbass: 10 militares morreram
    Tags:
    missão, representação, reconhecimento, Palestina, Grécia, Leste da Ucrânia, República Popular de Donetsk
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar