00:06 27 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan fala durante a reunião com investidores internacionais no Palácio presidencial em Ancara, Turquia, 2 de agosto de 2016

    Erdogan a turcos expatriados: 'Tenham mais filhos, sejam o futuro da Europa'

    © AFP 2019 / KAYHAN OZER / Serviço público do presidente turco
    Europa
    URL curta
    21213

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu na sexta-feira aos cidadãos turcos que vivem em países europeus que tenham cinco filhos para aumentar a presença turca no continente, chamando os turcos de "futuro da Europa".

    "Estou chamando os meus cidadãos, por irmãos e irmãs na Europa.Tenho não apenas três, mas cinco filhos… Abra mais empresas, inscreva seus filhos em melhores escolas, faça sua família viver em bairros melhores, conduzir os melhores carros, viver em As casas mais bonitas, porque é o futuro da Europa ", disse Erdogan ao jornal Hurriyet.

    Ele ressaltou, ao falar em um comício na província de Eskisehir, que esta seria "a melhor resposta para o vulgarismo, antagonismo e injustiça" feita contra os cidadãos turcos.

    Os comentários de Erdogan vieram em meio à disputa diplomática entre Ancara e Amsterdã e Berlim. No início de março, as autoridades de várias cidades alemãs proibiram as manifestações de campanha das autoridades turcas antes da votação da reforma constitucional que reforçava os poderes do presidente na Turquia, enquanto as autoridades neerlandesas recusavam o desembarque do ministro turco das Relações Exteriores.

    As relações entre os estados pioraram significativamente, com o presidente turco comparando o comportamento das autoridades alemãs e holandesas ao nazismo.

    Mais:

    Erdogan compara autoridades alemãs com nazistas
    Turcos expatriados na Alemanha vão votar no referendo que aumenta poderes de Erdogan
    Tags:
    Hurriyet, União Europeia, Recep Erdoğan, Eskisehir, Berlim, Amsterdã, Ancara, Holanda, Alemanha, Europa, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar