22:50 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    3493
    Nos siga no

    O dólar aparece cada vez menos nas transações comerciais entre os países: muitos preferem realizar intercâmbios em suas próprias moedas, segundo o analista financeiro russo Mikhail Kogan.

    Antes, a moeda norte-americana não tinha praticamente nenhum rival, mas a situação está mudando.

    "Há que ter em conta que o surgimento do euro e o progressivo fortalecimento do yuan como segunda ou terceira moeda mundial nas reservas internacionais viraram acontecimentos que afetaram seriamente a posição dominante do dólar."

    O analista prevê que a zona do euro e a China podem destronar o dólar dos EUA do primeiro lugar no volume de negócios mundial nos próximos 50 anos.

    Um exemplo notável é a guerra comercial dos EUA com a China e Europa, que em 2017 enfraqueceu as taxas de euro e yuan em 20% em relação ao dólar.

    Isso aponta diretamente, acredita o especialista, que os Estados Unidos sentem uma ameaça de outros países e tentam fazer o máximo possível para estender o prazo de seu domínio.

    Mais uma confirmação desse fato é o crescimento do dólar em relação a outras moedas nos períodos de crise, já que os investidores e comerciantes "procuram um porto seguro" no dólar e nos títulos do governo americano.

    "Mesmo assim, vale a pena aceitar o fato que o domínio de um só Estado na arena financeira mundial não poderá durar para sempre e, provavelmente, nas próximas décadas o yuan se tornará a principal moeda global: muitos países veem nele uma alternativa digna à moeda norte-americana", concluiu o analista.

    Mais:

    Banco Central de Cuba suspende depósitos em dólares norte-americanos
    Rússia renuncia ao dólar e se flexibiliza na exportação de armas para contrariar sanções
    FMI: moeda chinesa atinge novo recorde nas reservas globais
    Tags:
    dólar, yuan, euro, mercado global
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar