04:37 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    1120
    Nos siga no

    A redução de previsibilidade da política norte-americana "coloca em questão a credibilidade e facilidade de uso" do dólar para pagamentos recíprocos. Os países da Ásia-Pacífico, América Latina e África estão interessados no aumento da cota-parte de moedas nacionais em transações, disse vice-ministro das Relações Exteriores russo.

    A redução do uso do dólar em pagamentos recíprocos de operações comercias foi uma reação objetiva à realidade geopolítica atual, disse à Sputnik o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Aleksandr Pankin.

    A diminuição da previsibilidade da política econômica dos Estados Unidos e a aplicação "descontrolada" de sanções "colocam em questão a credibilidade e facilidade de uso da unidade de conta norte-americana como a moeda prioritária em contratos", afirmou o vice-chanceler russo.

    Nesta situação, os países e empresas são obrigados a tomar medidas para minimizar as perdas e riscos econômicos durante a realização de transações, declarou Pankin.

    "Por isso, o aumento do uso de moedas nacionais em operações comerciais com os outros países está se tornando mais atual e virando uma direção importante na agenda econômica externa", conforme o vice-ministro russo.

    Para a Rússia é importante promover sistemas de pagamentos interbancários, com tecnologias e soluções financeiras modernas, alternativos à Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT, na sigla em inglês) e independentes dos EUA, disse Pankin.

    Tecnologias russas como o Sistema de Transmissão de Comunicações Financeiras (do Banco Central da Rússia) e Transit (da Bolsa de Moscou) estão aumentando sua importância. Atualmente estão sendo desenvolvidas possibilidades de sua conexão com sistemas análogos estrangeiros (SEPA da União Europeia, SEPAM do Irã, sistemas CUP e CIPS da China etc.), revelou Pankin.

    Os países da Ásia-Pacífico estão altamente preparados para começar a realizar pagamentos em moedas diferentes do dólar. Os países africanos e latino-americanos também estão interessados no assunto, segundo o vice-ministro russo.

    "Atualmente, um intercâmbio ativo da Rússia nessa direção está se desenvolvendo com os parceiros da Ásia-Pacífico, onde a preparação para a transição para pagamentos recíprocos em moedas nacionais ou diferentes do dólar é bastante alta. Muitos países da América Latina e África também expressam um interesse crescente na discussão de possibilidades de aumento da cota-parte de moedas nacionais em pagamentos recíprocos com a Rússia", afirmou Palkin.

    As autoridades russas declararam várias vezes que a política de sanções dos EUA mina a confiança no dólar, diminui os investimentos de reservas do país na dívida pública norte-americana e contribui para o aumento do comércio externo em outras moedas. A política de desdolarização não significa uma proibição de uso do dólar, mas trata-se da criação de condições econômicas favoráveis para o uso de outras moedas, afirma o governo da Rússia.

    Mais:

    BR do Mar: qual o impacto que a navegação de cabotagem pode ter na economia do Brasil?
    Dependência mútua: como hegemonia do dólar afeta os detentores de ouro?
    Preço de um metal raro e precioso aumentou 131% em 2021 ultrapassando até bitcoin
    Em cruzada contra o dólar, China propõe regulamentar moedas digitais para enfraquecer os EUA
    Irã poderia triplicar exportações para a China nos próximos anos, aponta mídia
    Tags:
    moeda, dólar, economia, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar