05:54 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    151
    Nos siga no

    Uma das maiores fabricantes globais de smartphones, a gigante chinesa Xiaomi apresentou uma queixa contra os EUA, exigindo que o governo norte-americano a retirasse da lista negra de empresas supostamente ligadas ao setor militar da China.

    Na sexta-feira (29), Xiaomi apresentou uma queixa no Tribunal do Distrito de Columbia contra o Departamento do Tesouro e o Pentágono, exigindo que fosse retirada da lista negra e afirmando que a decisão de colocá-la na lista foi "ilegal e inconstitucional", escreve Reuters.

    Xiaomi insistiu que não tem conexão com o Exército de Libertação Popular (ELP) da China, apontando uma "quantidade substancial" de cidadãos americanos que têm grandes participações na empresa.

    A queixa que foi dirigida ao chefe do Pentágono, Lloyd Austin, e a Janet Yellen, nomeada pelo presidente Joe Biden e confirmada pelo Senado para o cargo de nova secretária do Tesouro, dizia que a proibição de investimento causaria "danos imediatos e irreparáveis à Xiaomi".

    "As relações estratégicas da empresa com instituições financeiras dos EUA – cruciais para contínuo do acesso da Xiaomi ao capital necessário para continuar crescendo em um mercado altamente competitivo – vão ser significativamente danificadas", lê-se na ação judicial.

    Em meados de janeiro, o Departamento de Defesa dos EUA colocou a Xiaomi e mais oito empresas na lista negra por alegadas ligações com o setor militar da China.

    Mais:

    'Smatphones chineses serão reis em 2030', afirma especialista brasileiro
    Sanções dos EUA contra Huawei ajudam outra empresa chinesa a conquistar mercados
    EUA revogam licenças de empresas fornecedoras para Huawei incluindo a Intel, diz mídia
    Tags:
    processo judicial, Departamento de Tesouro dos EUA, Pentágono, smartphone, restrições
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar