00:41 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    348
    Nos siga no

    Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um "frenesi final" do governo Trump em sua campanha anti-China.

    Na quinta-feira (14), o Departamento de Defesa dos EUA adicionou a empresa de tecnologia Xiaomi à lista de empresas que supostamente estão ligadas ao Exército de Libertação Popular (ELP), de acordo com o Global Times.

    Nesta sexta-feira (15), as ações da empresa caíram mais de 11% durante as negociações de mercado com a decisão. A Xiaomi confirmou que não pertence, não é controlada e não apoia militares chineses, de acordo com a mídia.

    A notícia veio como uma surpresa para o mercado, pois de todas as companhias já incluídas na lista, a Xiaomi é uma das mais popularmente conhecidas por ser uma famosa fabricante de celulares e produtos eletrônicos.

    Stand da Xiaomi em Pequim, a empresa é famosa por ter forte presença no mercado de telefonia celular
    © AP Photo / Andy Wong
    Loja da Xiaomi em Pequim, a empresa é famosa por ter forte presença no mercado de telefonia celular

    Além da gigante tecnológica, outras empresas foram adicionadas à lista como a Advanced Micro-Fabrication Equipment Co (AMEC) e empresas do ramo aéreo, como a Skyrizon, Commercial Aircraft Corporation of China (COMAC) e a China National Aviation Holding Co.

    De acordo com o Departamento de Defesa, as empresas listadas "apoiam as metas de modernização do Exército de Libertação Popular, garantindo seu acesso a tecnologias e conhecimentos avançados". 

    Para analistas, com o histórico de recentes atritos entre China e EUA, não importa se há suposto envolvimento militar chinês nas empresas, as políticas de Trump pretendem é suprimir e ganhar vantagem econômica e política diante do crescimento econômico chinês.

    "Em geral, as táticas contínuas da administração Trump contra as empresas chinesas em um momento de transição de poder iminente têm como objetivo principal sinalizar seu legado em casa e no exterior ao 'endurecer' com a China, especialmente porque Trump enfrenta um segundo impeachment", disse Hu Qimu, pesquisador-chefe do Sinosteel Economic Research Institute, citado pelo Global Times.

    As recentes medidas adotadas pelo governo norte-americano em relação a empresas chinesas são observadas com um certo tipo de satisfação por parte de executivos financeiros dos EUA, que estão se acomodando no longo prazo das proibições de investimentos chineses no país e esperam que as regras sejam duradouras, segundo análise da Reuters.

    Já para analistas chineses, é hora da China se unir contra a sinofobia norte-americana "ZTE, Huawei e Xiaomi se tornaram rivais que 'ameaçam' os Estados Unidos. Já é hora de as empresas chinesas trabalharem juntas para remodelar a cadeia da indústria na China e criar uma cadeia de suprimentos completamente doméstica", declarou Hu Qimu citado pelo Global Times.

    Mais:

    EUA revelam estratégia de contenção da China focada na ascensão da Índia como contrapeso a Pequim
    'Brincando com fogo': China adverte EUA sobre visita de representante da ONU a Taiwan
    EUA reforçarão Marinha indiana com vendas de armas em meio à tensão com China
    Tags:
    economia, lista, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar