04:34 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    425
    Nos siga no

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (23) que, para desonerar a folha de pagamentos das empresas, o Brasil precisa criar "tributos alternativos". 

    Guedes deu entrevista para a imprensa ao lado do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), após reunião com o presidente Jair Bolsonaro para discutir a reforma tributária e um programa de transferência de renda.

    Segundo o ministro, diminuir os impostos pagos pelas empresas é importante para ajudar a criar empregos no Brasil. 

    "Descobrimos 38 milhões de brasileiros, que eram os invisíveis. Temos que ajudar essa turma a ser reincorporada no mercado de trabalho, então temos que desonerar a folha, por isso que a gente precisa de tributos alternativos para desonerar a folha e ajudar a criar empregos", disse Guedes, segundo o portal G1. 

    Além disso, o ministro defendeu a desindexação e a desvinculação do orçamento, acabando com a regra constitucional que define um piso para investimentos em saúde e educação. 

    Desemprego aumenta 27,6% em 4 meses

    De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (23) pelo IBGE, o desemprego no Brasil subiu 27,6% em apenas quatro meses, atingindo 12,9 milhões de pessoas. A taxa de desocupação em agosto foi de 13,6%.  

    No ano passado, a equipe econômica chegou a defender a criação de espécie de nova CPMF. A discussão sobre o tema, no entanto, não avançou. Em 2020, porém, o presidente Jair Bolsonaro deu sinal verde para que a proposta fosse debatida, após Guedes apoiar a criação de um imposto nos moldes da CPMF para desonerar empresas. 

    'Importância do auxílio emergencial'

    Sobre o auxílio emergencial, Guedes afirmou que é preciso fazer uma "aterrissagem suave" quando o pagamento chegar ao fim, dando a entender que o governo pretende continuar pagando algum tipo de benefício para a camada mais pobre da população. 

    "Nós vimos a importância do auxílio emergencial, como isso ajudou a manter o Brasil respirando e atravessando essa onda da crise. Então, temos que também fazer uma aterrissagem suave do programa de auxílio emergencial", disse Guedes.

    Mais:

    Ainda é prematuro falar em 'fritura' de Paulo Guedes, diz cientista político
    Guedes: queda recorde do PIB é como 'luz das estrelas emitida há milhões de anos'
    Renda Brasil vai tirar dinheiro do 'andar de cima', afirma Guedes
    Tags:
    desemprego, reforma tributária, tributos, impostos, CPMF, economia, Ministério da Economia do Brasil, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar