14:53 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    107
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira (24), o Ministério da Economia do governo do presidente Jair Bolsonaro teria definido o valor médio de pagamentos de seu novo programa social, o Renda Brasil. O projeto deve ser financiado a partir do fechamento de outros programas sociais, segundo a mídia.

    Segundo publicou o jornal Estado de São Paulo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, apontou em reuniões com técnicos que pretende estabelecer o valor médio do programa Renda Brasil – o substituto de Bolsonaro para o Bolsa Família - em R$ 247,00.

    O programa deve vir acompanhando da implementação de medidas correlatas, a depender da recepção do Renda Brasil. Em primeiro lugar, a transferência de renda e o aumento do número de beneficiários do Bolsa Família, o que deve ser seguido pela chamada Carteira Verde Amarela, que trará o "imposto negativo" para complementar a renda do trabalhador e atingir o piso de R$ 1.045,00, e a redução de impostos sobre salários pagos por empresários.

    Presidente Jair Bolsonaro observa o ministro da Economia Paulo Guedes, durante lançamento de programa de acesso ao crédito, em Brasília, 19 de agosto de 2020
    © REUTERS / Adriano Machado
    Presidente Jair Bolsonaro observa o ministro da Economia Paulo Guedes, durante lançamento de programa de acesso ao crédito, em Brasília, 19 de agosto de 2020

    Para financiar o programa Renda Brasil, Paulo Guedes pretende cortar outros programas considerados "ineficientes" pelo governo Bolsonaro. São eles o abono salarial, o salário-família, o seguro-defeso e o programa Farmácia Popular, que distribui medicamentos de forma gratuita. Além disso são esperadas sugestões de cortes, tais como auxílios de servidores e de verbas indenizatórias de altos salários do serviço público.

    O imposto negativo que viria ao lado da Carteira Verde Amarela seria financiado a partir de um fundo com ativos da união, incluindo parte do dividendo de empresas estatais, como Petrobrás e Banco do Brasil. Já a chamada desoneração da folha de pagamento, que reduz impostos para empresários, seria financiada com a criação de um imposto nos moldes da antiga CPMF – o que ainda não tem apoio do presidente Bolsonaro.

    Ainda segundo publicou o jornal, o governo tem pressa para apresentar o projeto antes que o Congresso surja com uma proposta própria de renda básica e passe à frente do governo na questão.

    Mais:

    Reforma Tributária: unificar impostos diminuirá a distância entre ricos e pobres no Brasil?
    Nenhum deputado é 'suicida' para aceitar proposta de nova CPMF em ano eleitoral, diz especialista
    Ensino superior privado pode ficar 10% mais caro com reforma de Guedes, diz mídia
    Existe muita confiança do presidente em mim, afirma Paulo Guedes
    Tags:
    Bolsa Família, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar