16:09 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    9652
    Nos siga no

    O dólar dos EUA está à beira de perder seu status de principal moeda de reserva do mundo, afirmou ao RT o proeminente investidor Jim Rogers após relatos sobre os planos da China de reduzir grande parte da sua dívida americana.

    Com uma dívida nacional superior a US$ 26,5 trilhões (R$ 140,5 trilhões), "os EUA são a maior nação devedora na história do mundo e [a dívida] está ficando cada vez mais alta", afirmou Rogers, acrescentando que isso vai afetar a moeda norte-americana.

    "Tradicionalmente, o dólar americano tem sido a moeda mais sólida do mundo, mas as tradições mudam", salientou, se referindo ao que aconteceu com a libra britânica e florim holandês, que, em séculos anteriores, eram consideradas as moedas mais fiáveis.

    "Eu sou americano, por isso não gosto de dizer que receio que o dólar dos EUA esteja chegando ao seu século ou mais de domínio, e outra coisa vá substituí-lo", afirmou.

    O dólar ainda pode mostrar força no próximo ano, após a atual turbulência nos EUA causada pelos protestos Black Lives Matter e as próximas eleições, "mas essa será provavelmente a sua última oportunidade", notou.

    Os comentários do investidor surgem em meio à notícia da mídia chinesa sobre a possibilidade de Pequim reduzir gradualmente suas retenções de títulos do Tesouro dos EUA para cerca de US$ 800 bilhões (R$ 4,23 trilhões) do nível atual de mais de US$ 1 trilhão (R$ 5,29 trilhões).

    Se Pequim realmente decidir se livrar de um quinto da sua dívida americana, "isso vai colocar pressão sobre as taxas de juros nos EUA", acredita Rogers.

    Mais:

    Economia dos EUA apresenta pior queda desde crise financeira de 2008
    Economia dos EUA está em queda livre e crise é inevitável, advertem especialistas
    EUA alguma vez poderiam pagar sua dívida nacional?
    Tags:
    Departamento de Tesouro dos EUA, crise econômica, dívida externa, títulos do tesouro, EUA, economia, investidores, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar