20:30 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Por
    4197
    Nos siga no

    Centenas de pessoas se reuniram no fim da tarde desta sexta-feira (31) em Lisboa para cobrar uma resposta das autoridades ao assassinato do ator guineense Bruno Candé.

    Foi a primeira de uma série de manifestações agendadas para este fim de semana, que serão realizadas em várias cidades do país.

    Bruno Candé foi morto com quatro tiros à queima roupa quando estava sentado em um banco, em plena luz do dia, em uma movimentada avenida de Loures, cidade vizinha a Lisboa, no último sábado (25). O autor dos disparos, um homem branco de 76 anos, está em prisão preventiva, indiciado por homicídio qualificado e posse de arma ilegal.

    O ator costumava ficar sempre no mesmo ponto, acompanhado da cadela, e era conhecido na área. Moradores disseram à polícia que atirador e vítima tinham se desentendido anteriormente.

    Em comunicado enviado à imprensa, a família do ator afirmou que o crime foi premeditado e motivado por racismo. "O seu assassino já o havia ameaçado de morte três dias antes, proferindo vários insultos racistas", lê-se na nota. A polícia ainda não confirma a motivação.

    Irmã de Bruno Candé recebe apoio durante protesto em Lisboa contra a morte do ator
    © Sputnik / Caroline Ribeiro
    Irmã de Bruno Candé recebe apoio durante protesto em Lisboa contra a morte do ator

    Durante a manifestação, os familiares, bastante emocionados, foram amparados por ativistas que encabeçaram a organização do ato.

    "Eu espero que mude algo e que haja leis para punir. O principal, se calhar é começar na educação, desde a infância. Se começar pela educação nos infantários esses meninos, se tiverem pais racistas, vão dizer 'ensinaram-nos na escola que não devemos fazer isto'. É isso que queremos", disse à Sputnik Brasil a irmã mais velha da vítima, Olga.

    Usando máscaras e de maneira pacífica, os manifestantes gritaram por justiça e usaram cartazes para denunciar casos de racismo e violência policial ocorridos no país. Também relembraram as palavras de ordem do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

    Bruno Candé chegou a atuar em uma novela, mas teve a carreira recente dedicada ao teatro. Tinha 39 anos e deixa três filhos.

    "Ele era a alegria da casa, da família. A partir de agora não sabemos como vai ser o Natal, os dias das festas. É um vazio muito grande. Vamos ter que lidar com as crianças, que, quando crescerem, vão saber o que se passou", disse a irmã.

    Manifestantes se reúnem em Lisboa em protesto pelo assassinato do ator guineense Bruno Candé
    © Sputnik / Caroline Ribeiro
    Manifestantes se reúnem em Lisboa em protesto pelo assassinato do ator guineense Bruno Candé

    O Parlamento de Guiné-Bissau, que foi colônia de Portugal até 1973, aprovou o envio de uma delegação ao país para acompanhar autoridades envolvidas no caso e monitorar a situação da comunidade guineense residente. Os deputados também cobraram urgência nos procedimentos para punição do acusado.

    Por outro lado, conservadores têm reagido contra a motivação racial para o homicídio. Único representante do partido de extrema-direita Chega no Parlamento português, o deputado André Ventura convocou uma "contramanifestação" para o próximo domingo (2).

    "Sempre que a esquerda sair à rua para dizer que Portugal é um país racista, nós sairemos à rua com o dobro da força para mostrar que Portugal não é", disse o deputado durante sessão parlamentar.

    Será a segunda vez que o Chega reage a protestos nacionais contra o racismo. No mês passado, o partido juntou apoiadores durante uma passeata em resposta à mobilização pela morte do norte-americano George Floyd realizada em Lisboa.

    Mais:

    Sérgio Camargo diz que Black Lives Matter é um 'lixo', 'violento' e 'hipócrita'
    Lisboa pode criar app municipal para entregas, beneficiando setor dominado por brasileiros
    Pandemia agrava situação de fome em Portugal, com brasileiros na liderança entre os imigrantes
    Tags:
    Black Lives Matter, racismo, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar