02:43 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    382935
    Nos siga no

    Após seu compromisso inicial em Davos, Paulo Guedes confirmou que Brasil abrirá licitações públicas para empresas estrangeiras e perguntou se brasileiros querem "continuar sendo 200 milhões de trouxas servindo a seis empreiteiras e seis bancos". 

    O ministro da Economia é o representante brasileiro no Fórum Econômico Mundial, que reúne líderes políticos e empresários em Davos, na Suíça. 

    "Você tem que saber o que quer. Quer ter as melhores práticas, receber os maiores fluxos de investimentos e se integrar às cadeias globais de negócios? Ou queremos continuar sendo 200 milhões de trouxas servindo a seis empreiteiras e seis bancos?", afirmou Guedes após discursar na manhã desta terça-feira (21) no evento, segundo publicado pelo jornal Valor. 

    O ministro explicou que o Brasil vai aderir a um tratado global, chamado de Acordo sobre Compras Governamentais (GPA, pela sigla em inglês), que concede tratamento igual a companhias nacionais e internacionais em licitações públicas nas áreas de bens, serviços e infraestrutura. Por outro lado, as empresas brasileiras recebem os mesmos benefícios nos mercados internacionais. 

    'Ataque frontal' contra corrupção

    De acordo com o ministro, ao assinar o acordo, o país incorporará melhores práticas e poderá fazer um "ataque frontal" contra a corrupção. 

    "O Brasil está querendo entrar para a primeira divisão de melhores práticas. Isso é um ataque frontal à corrupção e um tema importante da campanha do presidente Bolsonaro", disse Guedes. 

    O tratado é mantido pela OMC (Organização Mundial do Comércio). Por meio dele, os países signatários têm compromissos em relação à transparência e ao acesso aos mercados nacionais de compras públicas. 

    Antes disso, em sua fala no Fórum, Guedes disse que o Brasil "perdeu a grande onda da globalização e inovação". Apesar disso, ele disse que o país está criando um ambiente melhor para os negócios e é preciso aprimorar a qualificação dos trabalhadores, pois o mercado está ficando mais tecnológico

    "Num país como o Brasil, que está um pouco atrás [em relação às inovações], temos um pouco de preocupação", afirmou o ministro, segundo publicado no jornal Estadão.

    Mais:

    Impostos na mira: Guedes cria grupo para 'aperfeiçoar sistema tributário'
    Guedes se diz 'apavorado' com ausência de multinacionais no leilão do pré-sal
    'Estamos conversando com a China sobre livre comércio', diz Paulo Guedes em evento do BRICS
    Após citar AI-5, Guedes diz que democracia brasileira 'nunca foi tão forte'
    Bolsonaro anuncia reajuste de salário mínimo de R$ 1.039 para R$ 1.045
    Tags:
    Paulo Guedes, mercado, banco, empreiteira, infraestrutura, serviços, licitação, governo, economia, Fórum Econômico Mundial em Davos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar