04:28 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da China e dos EUA

    Trump se arrepende de taxas sobre a China? Sim, elas deveriam ser maiores

    © AP Photo / Andy Wong
    Economia
    URL curta
    8212
    Nos siga no

    Casa Branca diz que presidente Trump se arrepende de tarifas sobre produtos chineses não serem maiores. Tal declaração foi feita após jornalistas acharem que Trump tinha dúvidas sobre guerra comercial.

    Embora o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China preocupe as autoridades financeiras internacionais, o presidente americano, Donald Trump, parece reagir de outra forma.

    Durante a conversa com jornalistas ontem, (25), o presidente foi perguntado se tinha reservas quanto à guerra comercial. Em resposta, Trump disse ter "dúvidas sobre tudo".

    A declaração foi interpretada como um sinal de preocupação com o cenário pela mídia americana. O que ninguém esperava era que a fala de Trump tivesse outro significado.

    Tentando esclarecer o mal entendido dos jornalistas, a secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham, disse que "o presidente só se arrepende de as tarifas aos produtos chineses não serem maiores", publicou a fala de Grisham o site do NY Times.

    Mais livre comércio

    A falta de preocupação de Trump com os efeitos da guerra comercial não é compartilhada por todos seus aliados.

    O primeiro-ministro britânico Boris Johnson defendeu o livre comércio durante o diálogo com Trump, informou a CGTN.

    "Nós somos a favor da paz no comércio [...] O Reino Unido lucrou muito nos últimos 200 anos com o livre comércio [...] Eu quero ver a abertura do comércio mundial, a redução das tensões e o fim das tarifas", disse Boris Johnson.

    Mais:

    Trump chama presidente chinês de 'inimigo' em meio à crescente rivalidade comercial
    Trump defende sua gestão econômica e guerra comercial com China
    Guerra comercial: China aumenta tarifas sobre petróleo dos EUA
    Tags:
    tarifas, EUA, China, guerra comercial
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar