11:37 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Argentina, Mauricio Macri, e o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em Brasília.

    Bolsonaro vai propor um acordo de livre comércio entre Mercosul e EUA, diz porta-voz

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Américas
    URL curta
    558
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro quer propor um acordo de livre comércio entre o Mercosul e os Estados Unidos quando assumir a presidência do bloco durante uma reunião na Argentina, informou o porta-voz da presidência Otavio Rego Barros nesta terça-feira.

    Rego Barros disse ainda que o Ministério de Relações Exteriores do Brasil já tem um esboço do pedido de acordo para que o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, se torne o embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

    Bolsonaro defendeu a nomeação de seu filho como embaixador, mas a nomeação ainda precisa ser aprovada pelo Senado brasileiro.

    A ideia é compartilhada pela Argentina. Nesta terça-feira, a ideia de Bolsonaro foi confirmada pelo ministro de Relações Exteriores argentino Jorge Faurie.

    "Antes, nem todo mundo queria se casar com o Mercosul, uma complicada coisa do meio. E agora todos aprenderam que temos um mercado, que somos interessantes e que há mais propostas para o casamento. E isso é muito bom para toda a nossa região", disse o chefe da diplomacia argentina em uma coletiva de imprensa.

    Reunião nesta quarta-feira em Santa Fé

    A fala veio após a reunião do Conselho do Mercosul, que definiu a agenda de temas que serão abordados na cúpula de presidentes da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai nesta quarta-feira em Santa Fé. O bloco vive uma euforia depois de assinar um acordo de livre comércio com a União Europeia (UE).

    Considerado o mais importante acordo com terceiros mercados desde a sua fundação há quase 30 anos, o bloco sul-americano assinou em 28 de junho um compromisso de integração comercial com a UE justamente em um momento em que o multilateralismo aparece ofuscado pelas tensões globais e pelo protecionismo.

    O acordo, cujas negociações começaram em 1995, visa complementar as economias de uma região que é primariamente uma produtora de matérias-primas - a América do Sul - com outra de bens e serviços - a Europa. Os diplomatas sul-americanos confiam que sua implementação começará em dois anos.

    O grupo agora pretende promover "casamentos comerciais" com outras nações, incluindo os Estados Unidos e a China.
    Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Brasil, Jair Bolsonaro, fizeram do acordo um eixo central de sua política externa e deram impulso às negociações que haviam sido paralisadas durante os governos de centro-esquerda que os precederam.

    Bandeiras do Brasil e do Mercosul (foto de arquivo)
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Bandeiras do Brasil e do Mercosul (foto de arquivo)

    Em Santa Fé, capital da província de mesmo nome, a cerca de 470 quilômetros a noroeste de Buenos Aires, ambos os líderes, juntamente com seus pares no Uruguai, Tabaré Vázquez; e o Paraguai, Mario Abdo Benítez, pretendem ativar todos os mecanismos necessários para que o acordo entre em vigor o quanto antes e finalizar os detalhes de um acordo comercial com a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, por sua sigla em inglês e composto de Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça) que poderão ser encerradas antes do final do ano e avançar em outras negociações com o Canadá, Singapura e Coreia do Sul.

    Também participam os líderes do Chile, Sebastián Piñera e Evo Morales, da Bolívia, na condição de Estados Associados.

    "Diante de uma reflexão de que o Mercosul foi parado, bem, estávamos fazendo ginástica em casa e agora é capaz de participar de várias competições ao mesmo tempo", declarou um entusiasmado chanceler argentino.

    Enquanto o Brasil pede para acelerar as negociações com os Estados Unidos, o Uruguai também pretende negociar com a China.

    "Para nós, é importante que o Mercosul e os países membros estejam em permanente diálogo com os principais atores do comércio e da economia global. Os Estados Unidos são um ator fundamental, a União Européia é um ator importante e a China é outra", pontuou Faurie.

    Impasse venezuelano

    Em meio às conversas sobre acordos comerciais, a crise na Venezuela superou a reunião de ministros de Relações Exteriores. Este país foi suspenso como parte estadual do bloco sul-americano em 2017.

    "A Venezuela é uma grande pedra na estrada que impede o crescimento da América do Sul", atacou o chanceler do Brasil, Ernesto Araújo, diante de seus pares. "Deve ser reconhecido que há um elefante na sala, que é a questão da Venezuela. O grande desafio que a nossa região enfrenta hoje é a plena recuperação da democracia na Venezuela".

    Cada um separadamente, Argentina, Brasil e Paraguai, reconheceram o autoproclamado governo interino de Juan Guaidó, mas a posição mais ambígua do Uruguai impede que o Mercosul como um todo se manifeste no mesmo sentido.

    "A Venezuela é permanente nas mentes de todos nós aqui na região e preparamos uma declaração à qual os países do Mercosul e outros estados associados aderirão, que entendem que existe uma completa falta de democracia na Venezuela", pontuou Faurie.

    Mais:

    França declara 'não estar pronta' para ratificar acordo comercial entre UE e Mercosul
    Mercosul pode fechar mais acordos comerciais nos próximos meses, diz chanceler brasileiro
    Sob protestos de fazendeiros franceses, Macron defende acordo com o Mercosul
    Tags:
    economia, comércio, diplomacia, Singapura, Coreia do Sul, Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA), Jorge Faurie, Mauricio Macri, União Europeia, Mercosul, Otávio Rego Barros, Jair Bolsonaro, Estados Unidos, Venezuela, Paraguai, Uruguai, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar