03:38 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5192
    Nos siga no

    Japão abandonou planos de compra de mísseis antinavio dos EUA para seus caças F-15 por causa do aumento de preços, informou nesta quinta-feira (5) a agência de notícias Kyodo.

    O Ministério da Defesa japonês teria informado o Partido Liberal Democrata sobre a decisão.

    Inicialmente, os dois países chegaram a acordo quanto ao preço de US$ 894 milhões (R$ 4,631 bilhões) para atualizar os caças com os mísseis antinavio de longo alcance (LRASM, na sigla em inglês), mas posteriormente o preço subiu para mais de US$ 1,9 bilhão (R$ 9,84 bilhões) devido à escassez de componentes elétricos e à necessidade de atualizar o software, aponta a agência japonesa.

    Os mísseis, com um alcance divulgado de 900 quilômetros, são considerados vitais para o Japão devido ao crescimento do poderio militar da China na região do Pacífico.

    Guarda Costeira japonesa usa canhões de água em disputa territorial nas ilhas Senkaku
    © AFP 2021 / YOMIURI SHIMBUN
    Guarda Costeira japonesa usa canhões de água em disputa territorial nas ilhas Senkaku

    De acordo com o plano original, o Japão havia previsto modernizar seus caças com dois tipos de mísseis produzidos nos EUA, o LRASM e o míssil ar-superfície JASSM, para impulsionar suas capacidades de defesa em torno das ilhas Ryukyu, que se estendem até Taiwan.

    Em meados de julho, a mídia japonesa informou que quatro navios de patrulha chineses ingressaram em águas territoriais japonesas, próximo das disputadas ilhas Senkaku.

    As ilhas Senkaku, ou Diaoyu, como os chineses as chamam, são um território disputado entre a China e o Japão.

    Mais:

    Londres quer 'mostrar músculos' enviando navios de guerra para Indo-Pacífico, diz Pequim
    Navios chineses ingressam em águas territoriais japonesas próximo a ilhas disputadas, diz mídia
    Reino Unido decidiu não desafiar águas territoriais chinesas no mar do Sul da China, diz Pequim
    Tags:
    mísseis antinavio, EUA, Japão, China, tecnologia militar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar