15:00 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 146
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (14), quatro navios chineses de patrulha ingressaram em águas territoriais japonesas, próximo das disputadas ilhas Senkaku, segundo a agência de notícias Kyodo.

    A agência Kyodo ressaltou que esta é a 30ª vez que embarcações chinesas entram em águas territoriais japonesas neste ano. Além disso, relatou que um dos navios estava supostamente equipado com um canhão automático.

    No dia 16 de junho, embarcações chinesas foram avistadas navegando em torno das águas territoriais do Japão. Na ocasião, os navios percorreram a área por aproximadamente 90 minutos.

    Nos últimos anos, Tóquio tem manifestado sua preocupação com as atividades de Pequim na região, especialmente com relação às ilhas disputadas de Senkaku, que Pequim declarou como território chinês.

    As ilhas Senkaku, ou Diaoyu, como os chineses as chamam, são território de disputa entre a China e o Japão. O Japão afirma que o país ocupa a área desde 1895, enquanto Pequim lembra que, em mapas japoneses de 1783 e 1785, as Diaoyu estavam marcadas como território chinês. Após a Segunda Guerra Mundial, as ilhas estiveram sob controle dos EUA e foram entregues ao Japão em 1972.

    Taiwan e China acreditam que o Japão detém as ilhas ilegalmente. Tóquio considera que a China e Taiwan começaram a reivindicar as ilhas desde a década de 1970, quando se soube que suas águas são ricas em recursos minerais.

    A disputa se agravou em 2012, após o governo japonês adquirir de um proprietário privado três das cinco ilhas do arquipélago, tendo assim estabelecido seu status de território pertencente ao Japão.

    Mais:

    Marinha chinesa 'expulsa' destróier dos EUA do mar do Sul da China
    Marinha chinesa teria reforçado frota naval com 6 submarinos nucleares
    Porta-aviões pode comprovar controle da Marinha chinesa sobre coronavírus
    Tags:
    navios, Ilhas Senkaku, disputa territorial, Japão, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar