06:17 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5930
    Nos siga no

    Líderes militares da OTAN e dos EUA se reuniram nesta quinta-feira (15) no Comando da Força Conjunta de Norfolk, no estado norte-americano da Virginia, para assinalar o início das operações do primeiro quartel-general da OTAN na América do Norte.

    O portal Military aponta que, se algum dia os EUA e a Rússia se enfrentarem no Atlântico, a batalha seria dirigida a partir de Norfolk.

    O novo comando será responsável pelas regiões do Atlântico e do Ártico. A OTAN tem mais dois comandos da força conjunta – um em Brunssum, nos Países Baixos, e outro em Nápoles, Itália, na região do Mediterrâneo.

    Durante a cerimônia, realizada a bordo do navio de assalto anfíbio USS Kearsarge, o general Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, disse que o comando é necessário para evitar uma guerra sangrenta e destrutiva contra os principais adversários – ou para ganhá-la se o conflito eventualmente irromper.

    "É missão deste comando combater na batalha do Atlântico em caso de conflito armado", disse Milley. "Pensem nisso. Se conhecem a história, e conhecem a Segunda Guerra Mundial, sabem como isso foi importante".

    O general norte-americano disse ainda que o Atlântico seria crucial se outra guerra eclodisse na Europa.

    "A sobrevivência da OTAN, o sucesso ou fracasso em combate em uma guerra futura [...] na Europa dependeria em grande parte do sucesso ou fracasso deste comando e sucesso ou fracasso da batalha do Atlântico", afirmou.

    General Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA discursa durante a cerimónia que marca  a entrada em operação do Comando da Força Conjunta da OTAN a bordo do USS Kearsarge, na base naval de Norfolk, 15 de julho de2021
    © AP Photo / Steve Helber
    General Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA discursa durante a cerimónia que marca a entrada em operação do Comando da Força Conjunta da OTAN a bordo do USS Kearsarge, na base naval de Norfolk, 15 de julho de2021

    Em suas declarações, o vice-almirante Andrew Lewis, comandante da 2ª Frota da Marinha e chefe do novo Comando da Força Conjunta alertou sobre o aumento da atividade russa e chinesa no Atlântico.

    "Não podemos mais assumir que temos o controle do Atlântico, como tínhamos no final da Guerra Fria", frisou. "Estamos novamente sendo desafiados por ameaças nessas águas. Ambas [a Rússia e a China] aumentaram sua presença no Atlântico, desde o Círculo Polar Ártico ao Polo Sul", ressaltou.

    A cerimônia assinalou a plena capacidade operacional do comando, o que significa que a estrutura é capaz de executar todas as missões e capacidades para que foi projetada.

    Mais:

    Submarino russo vigiou grupo de ataque de porta-aviões da Marinha Real britânica, diz mídia
    Navios russos abrem fogo no mar Negro em meio aos exercícios da OTAN (VÍDEO)
    Marinha norte-americana aposta em novo sonar para elevar capacidade tática de submarino nuclear
    Tags:
    Mark Milley, Marinha dos EUA, China, Rússia, OTAN, oceano Atlântico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar