17:13 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    131981
    Nos siga no

    Um dos maiores fabricantes da indústria de defesa de Israel, a empresa Rafael, publicou um vídeo mostrando seu novo míssil de cruzeiro Sea Breaker destruindo uma embarcação de fabricação soviética.

    O novo míssil guiado terrestre e marítimo Sea Breaker pode destruir alvos à distância de até 300 quilômetros em condições de forte resistência eletrônica, segundo a empresa. Apenas um míssil é suficiente para destruir alvos da classe de fragata.

    O vídeo divulgado pela Rafael mostra a destruição de uma embarcação com o número de amura 962. Segundo dados públicos, trata-se de uma lancha de mísseis R-71 Shuya (projeto 1241) lançado em 1983 e que atualmente faz parte da Marinha da Rússia.

    As lanchas de mísseis do projeto 1241 foram construídas na URSS e na Rússia de 1979 a 1996. Estes navios também foram exportados, inclusive para o Iêmen.

    A nova arma Sea Breaker é um sistema autônomo de mísseis de alta precisão e de longo alcance, que permite intervenção do operador em qualquer fase. O sistema usa várias inovações, como eletro-óptica, visão por computador, inteligência artificial e tomada de decisões.

    O Sea Breaker pode atingir os navios em águas litorâneas e em alto-mar e também em ambientes de arquipélagos. O sistema pode ser lançado a partir de várias plataformas navais, de lanchas rápidas de ataque a corvetas e fragatas.

    Mais:

    Marinha do Irã realiza manobras no mar Cáspio em meio a tensões crescentes com Ocidente (FOTOS)
    FOTO de satélite sugere que Coreia do Norte estaria expandindo importante base aérea do país
    Publicado VÍDEO de F-35 britânico espionando exercícios russos no mar Mediterrâneo
    EUA divulgam VÍDEO de ataques aéreos conduzidos contra 'milícias sírias apoiadas pelo Irã'
    Caças russos escoltam fragata holandesa para prevenirem violação da fronteira no mar Negro (VÍDEO)
    Tags:
    URSS, Rússia, Israel, míssil, navio, embarcação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar