23:47 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    63315
    Nos siga no

    Washington começou a retirar algumas das suas forças de defesa aérea de vários países do Oriente Médio, os enviando de volta aos EUA para manutenção, informou nesta sexta-feira (18) o The Wall Street Journal.

    Citando funcionários da administração, o jornal observa que várias baterias de defesa antiaérea Patriot MIM-104 estão sendo retiradas do Iraque, Kuwait, Jordânia e Arábia Saudita, junto com esquadrões de caças e, pelo menos, um sistema antimísseis THAAD da Arábia Saudita.

    No total, este processo inclui também centenas de sodados que operam e mantêm as baterias. Estas podem incluir um radar, estação de controle, mastros de antenas e até 16 lançadores de mísseis separados. Em relação aos THAAD, cada bateria inclui dois centros móveis de operações táticas, um potente radar terrestre e pelo menos seis sistemas de lançamento de mísseis.

    Ainda assim, dezenas de milhares de soldados dos EUA permanecerão na região, incluindo pelo menos 2.500 militares no Iraque, depois que Bagdá e Washington concordaram em reduzir para metade o contingente dos EUA.

    Membro da Força Aérea dos EUA perto de uma bateria de mísseis Patriot na base aérea Prince Sultan em Al-Kharj, região central da Arábia Saudita, 20 de fevereiro de 2020 (foto de arquivo)
    © AP Photo / Andrew Caballero-Reynolds
    Membro da Força Aérea dos EUA perto de uma bateria de mísseis Patriot na base aérea Prince Sultan em Al-Kharj, região central da Arábia Saudita, 20 de fevereiro de 2020 (foto de arquivo)
    Estas mudanças são parte de um plano maior de redistribuição de forças, que envolve milhares de tropas dos EUA em todo o mundo, enquanto o Pentágono se afasta da Guerra ao Terrorismo, uma campanha militar desencadeada há quase 20 anos pelos EUA em resposta aos ataques de 11 de setembro, mudando para o que denomina de "confronto de grandes potências" com a China e a Rússia. Não se sabe para onde serão enviados os sistemas Patriot e THAAD após passagem por manutenção.

    Em março deste ano, os EUA realizaram seu primeiro exercício conjunto de defesa antimíssil na região do Indo-Pacífico, envolvendo quatro bases americanas, situadas na Coreia do Sul, Japão, Guam e Havaí.

    Mais:

    Força Espacial dos EUA afirma estar desenvolvendo armas espaciais de energia direcionada
    Após maior incursão de aeronaves perto de Taiwan, China diz que deve responder ao 'conluio'
    Diplomacia chinesa do 'guerreiro lobo' é uma 'defesa justificada', diz embaixador
    Tags:
    sistema antiaéreo, Patriot, Oriente Médio, China, EUA, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar