19:20 16 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 170
    Nos siga no

    Consórcio Kalashnikov e Ministério da Defesa da Rússia estão considerando a possibilidade de desenvolvimento de outros fuzis de cartuchos potentes baseados no AK-308.

    Os novos fuzis serão a base de uma nova geração de armas de fogo, informou a assessoria de imprensa do consórcio na exposição internacional de armas IDEX 2021, que está sendo realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

    "Uma vez que o AK-308 foi originalmente projetado para um cartucho muito potente, o consórcio Kalashnikov e o Ministério da Defesa da Rússia, seguindo a tendência mundial, estão estudando a possibilidade de criar novos exemplares baseados no AK-308 para outras munições potentes, com o objetivo de desenvolver soluções tecnológicas e de design para a próxima geração de armas de combate", notificou a assessoria de imprensa.
    Consórcio russo Kalashnikov demonstra um dos seus últimos avanços – o fuzil de assalto AK-308 com mira dióptrica e coronha retrátil regulável
    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Consórcio russo Kalashnikov demonstra um dos seus últimos avanços – o fuzil de assalto AK-308 com mira dióptrica e coronha retrátil regulável

    Em agosto de 2020, diretor-geral do consórcio, Dmitry Tarasov, afirmou que algumas soluções de design do AK-308 deram impulso ao desenvolvimento de conceitos de novos modelos de armas de fogo.

    O AK-308 foi desenvolvido com base no fuzil de assalto AK-103 com munição de 7,62x51 mm (munição padrão de fuzil e metralhadora dos países-membros da OTAN) com elementos e componentes da espingarda automática AK-12.

    Mais:

    Consórcio Kalashnikov está desenvolvendo novos drones suicidas
    Aguenta disparo de Kalashnikov: Exército da Rússia já ganhou quase 300 mil equipamentos Ratnik
    'Surpresa de Natal': mídia britânica destaca novo míssil do Kalashnikov
    Tags:
    Consórcio Kalashnikov, nova geração, armas, Ministério da Defesa da Rússia, fuzil de assalto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar