23:34 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    Por
    5591
    Nos siga no

    Ministério da Defesa do Brasil envia delegação de alto nível para fórum internacional militar na Rússia. O que podemos vender e o que queremos comprar de Moscou?

    Entre os dias 23 de agosto e 5 de setembro, Moscou sedia o Fórum Internacional Técnico-Militar EXÉRCITO 2020 e os Jogos Militares Internacionais Exército 2020, em um evento de grandes proporções que reúne feira comercial, congresso de especialistas e verdadeiro show de demonstrações de equipamentos militares de ponta.

    O Brasil não ficou de fora desse evento e enviou uma delegação de alto nível para promover produtos da base industrial de defesa brasileira em território russo.

    "Os produtos de defesa não só criam empregos e desenvolvem tecnologia, mas também precisam de um envolvimento forte [...] para poder se desenvolver", disse o embaixador do Brasil em Moscou, Tovar da Silva Nunes, à Sputnik Brasil.

    "Estamos inaugurando aqui na Rússia nesta feira [...] uma nova fase [...] mais assertiva na estratégia de promoção comercial", afirmou o secretário de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa do Brasil, Marcos Degaut, à Sputnik Brasil. "Cruzamos meio mundo e estamos muito felizes."

    O Brasil tem muito a oferecer à Rússia, uma vez que detém base industrial de defesa "complexa, robusta e diversificada", garantiu Degaut.

    "Nós somos muito eficientes na produção de armas de curto calibre, de sistemas de controle de monitoramento de fronteiras, artilharia e aviação", ressaltou o secretário, adicionando que "produzimos do alfinete ao foguete".

    O que a Rússia pode oferecer ao Brasil?

    O Brasil tem particular interesse em produtos russos das áreas de artilharia a de sistemas de monitoramento de fronteiras e apoio à construção naval, revelou Degaut.

    "Nós temos equipamentos russos em uso nas Forças Armadas brasileiras já há alguns anos, e estamos discretamente muito satisfeitos", pontuou o general Duizit Brito, diretor do Departamento de Promoção Comercial da Defesa (DEPCOM), à Sputnik Brasil.

    Para Brito, Brasília e Moscou podem cooperar na área de construção naval e no desenvolvimento de projetos para a Antártica.

    "[Os russos] são muito especializados em áreas geladas, e nós temos os estaleiros. Então há uma possibilidade de parceira de longo prazo", acredita o general.

    No entanto, o Brasil tem interesse não em realizar simples transações comerciais com os russos, mas em selar acordos que envolvam parceria tecnológica e troca de conhecimentos.

    "Comprar é fácil [...], mas não é isso que se quer. Se quer um trabalho conjunto de desenvolvimento levando tecnologia russa, mas incrementando também o parque industrial brasileiro", disse Brito.

    Delegação brasileira no Fórum EXÉRCITO 2020. Da esquerda para direita: secretário Tiago Carneiro, embaixador Tovar da Silva Nunes, secretário Marcos Degaut e general Diniz Brito
    © Sputnik / Ana Livia Esteves
    Delegação brasileira no Fórum EXÉRCITO 2020. Da esquerda para direita: secretário Tiago Carneiro, embaixador Tovar da Silva Nunes, secretário Marcos Degaut e general Diniz Brito

    Para ele, o ideal é fechar acordos nos quais "todos cresçam: a indústria russa tenha acesso a novos mercados, mas nós também acesso a conhecimento para determinadas áreas que serão permanentes", como a exploração da Antártica.

    Sistema de artilharia antiaérea Pantsir

    Há alguns anos, o Brasil debate com a Rússia a possibilidade de adquirir o sistema de artilharia antiaérea móvel Pantsir-S1, um dos mais avançados do mundo.

    Para Brito, o negócio depende da sincronização entre o Pantsir e as tecnologias instaladas no Brasil, como sistemas de rádio, software e radares.

    "Tudo depende de como a tecnologia se encaixa nas outras. O sistema [Pantsir] tem que ter conectividade e compatibilidade. Se não houver, não adianta ser um sistema excelente, que não se encaixe no sistema [brasileiro]", explicou Brito.

    Complexo de artilharia antiaérea Pantsir-S1 em exposição no Fórum Internacional EXÉRCITO 2020, próximo a Moscou, na Rússia, 23 de agosto de 2020
    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Complexo de artilharia antiaérea Pantsir-S1 em exposição no Fórum Internacional EXÉRCITO 2020, próximo a Moscou, na Rússia, 23 de agosto de 2020

    Armado com mísseis terra-ar, o Pantsir opera sobretudo em baixas e médias alturas.

    "O interesse do Brasil é de tecnologias de média altura que possam ser compartilhadas e desenvolvidas em conjunto com o nosso país", disse o general.

    O chefe do Departamento de Produtos de Defesa do Ministério das Relações Exteriores (DIPROD), Tiago Carneiro, concorda:

    "Ambos os países já estão em um nível de sofisticação na área de produtos de defesa que nos permite pensar em realizar projetos conjuntos", afirmou Carneiro à Sputnik Brasil.

    Visitante examina arma AK-308 no stand da Kalashnikov, durante o Fórum Internacional EXÉRCITO 2020
    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Visitante examina arma AK-308 no stand da Kalashnikov, durante o Fórum Internacional EXÉRCITO 2020

    Durante o EXÉRCITO 2020, a delegação brasileira realizará contatos com empresas-chave do complexo industrial militar russo, a fim de selar "uma parceria estratégica no sentido mais profundo do termo", asseverou Degaut.

    De fato, "a presença de uma delegação deste nível aqui demonstra o prestígio que a Rússia tem perante o Brasil", concluiu o embaixador Nunes.

    A exposição EXÉRCITO 2020, realizada no Parque Patriot (Patriota), nos subúrbios de Moscou, apresentará 730 armamentos e equipamentos militares russos, além de contar com stand de 28 mil empresas do ramo e representantes de mais de 70 países.

    Mais:

    Exército russo receberá morteiros superpotentes modernizados Tyulpan em 2020
    Novos sistemas antiaéreos e muito mais: grupo russo Almaz-Antey estará no fórum EXÉRCITO 2020
    VÍDEOS mostram pouso incrível de bombardeiros russos Tu-95 e Tu-160 na exposição EXÉRCITO 2020
    Tags:
    equipamentos militares, relações bilaterais, construção naval, Rússia, Brasil, Ministério da Defesa, Exército
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar