00:44 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3636
    Nos siga no

    O recente voo de três bombardeiros americanos – B-2 Spirit, B-52 Stratofortress e B-1B Lancer – definiu vários objetivos estratégicos, e o principal deles é a interoperabilidade das aeronaves entre si e intercâmbio de informações, escreve The Drive.

    Segundo especialistas, tal intercâmbio permitiria às aeronaves conduzir ataques com mísseis e desempenhar uma série de outras funções. Como exemplo o jornal aponta o míssil de cruzeiro furtivo ar-terra AGM-158 JASSM usado nos três aviões.

    "Força Aérea dos EUA mudou drasticamente o foco das operações de bombardeiros à escala global para atividades destinadas a dissuadir ou sinalizar de outras maneiras as capacidades de ataque de longo alcance dos EUA aos potenciais adversários, incluindo a Rússia e China, bem como o Irã e a Coreia do Norte", ressalta revista.

    As atividades incluem sobrevoos de zonas potencialmente sensíveis do ponto de vista político no Pacífico e em torno da Europa, bem como voos diretos de longa distância de e para várias zonas estrategicamente importantes.

    Além disso, os bombardeiros da Força Aérea, incluindo os furtivos B-2 Spirit, têm sido enviados para locais cada vez mais remotos e incomuns. Isto faz parte de um esforço mais amplo a fim de alargar o número de bases que estas aeronaves poderiam utilizar durante um conflito para distribuir suas operações, torná-las menos previsíveis e reduzir sua vulnerabilidade em geral às forças hostis.

    Anteriormente Oivind Gunnerud, comandante da 132ª Ala Aérea da Base Aérea de Orland, Noruega, confirmou que, neste mês de fevereiro, bombardeiros americanos B-1B Lancer vão ser posicionados pela primeira vez em uma base aérea norueguesa.

    Quatro bombardeiros e cerca de 200 militares já chegaram à base, enfatizaram as Forças Armadas norueguesas.

    Mais:

    Bombardeiros russos Tu-160 voam por mais de 14 horas sobre oceano Ártico (VÍDEO)
    B-52 dos EUA atravessam espaço aéreo de Israel rumo ao golfo Pérsico, relata jornal (VÍDEO)
    Força Aérea dos EUA está ficando sem tempo para manter credibilidade de bombardeiros estratégicos
    Tags:
    bombardeiro estratégico, B-52, B-1B, B-2 Spirit, Força Aérea dos EUA, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar