15:05 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3360
    Nos siga no

    Seis bombardeiros de Rússia e China realizaram a segunda patrulha conjunta na região da Ásia-Pacífico.

    Na terça-feira (22), seis bombardeiros de Rússia e China patrulharam juntos a região da Ásia-Pacífico, segundo comunicado de imprensa do Ministério da Defesa russo.

    "Em 22 de dezembro de 2020, a Força Aeroespacial da Rússia e a Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China realizaram a segunda patrulha aérea conjunta com aviões da aviação de longo alcance na região da Ásia-Pacífico", de acordo com o ministério russo.

    Na patrulha, sobre os mares do Japão (também conhecido como mar do Leste) e da China Oriental participaram dois bombardeiros estratégicos Tu-95MS da Força Aeroespacial da Rússia e quatro bombardeiros estratégicos Xian H-6 da Força Aérea da China.

    Os aviões agiram estritamente de acordo com as normas do direito internacional. Não houve violações do espaço aéreo de países terceiros.

    O Ministério da Defesa russo destacou que a patrulha conjunta é realizada para desenvolvimento da parceria sino-russa, aumento do nível da colaboração das Forças Armadas dos dois países, aperfeiçoamento de suas capacidades de realização de ações conjuntas e reforço da estabilidade estratégica global.

    A patrulha foi realizada no âmbito do cumprimento das cláusulas do plano de colaboração militar para o ano de 2020 e não é dedicada contra países terceiros, segundo Ministério da Defesa da Rússia.

    A primeira patrulha deste tipo foi realizada em 23 de julho de 2019.

    Mais:

    Bombardeiros dos EUA sobrevoam Oriente Médio em meio à tensão com Irã
    Rússia aumenta força de ataque hipersônica aperfeiçoando caças-interceptadores MiG-31, aponta Forbes
    Taipé entra em alerta máximo após passagem de porta-aviões chinês pelo estreito de Taiwan
    Mídia norte-americana nomeia voo do bombardeiro russo Tu-160M evento do ano
    Tags:
    bombardeiros, patrulha, avião, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar