21:51 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3826
    Nos siga no

    Ao contrário das guerras de que os EUA têm participado ao longo das últimas duas décadas contra terroristas e extremistas, a próxima potencialmente será contra a China ou a Rússia e ameaçaria a sobrevivência da nação, disse Timothy Ray, general da Força Aérea dos EUA.

    Segundo o chefe do Comando de Ataque Global da Força Aérea, esses potenciais adversários estão se modernizando de um modo que os EUA não estão, afirmou Ray em um e-mail ao portal Air Force Times. Essas nações têm modernizado suas armas nucleares e os sistemas para transportar essas armas, acrescentou.

    Para manter o ritmo os EUA precisam modernizar sua rede de bombardeiros, submarinos e mísseis balísticos intercontinentais, em parte através do desenvolvimento de novas tecnologias.

    A Força Aérea já está trabalhando nesse sentido desenvolvendo o bombardeiro B-21 Raider. Mas até que suficientes B-21 sejam construídos a entidade militar precisará continuar mantendo e modernizando a frota existente, e que está envelhecendo, de B-1, B-2 e B-52, salientou Timothy Ray.

    Os bombardeiros B-1B Lancer dos EUA
    © REUTERS / Staff Sgt. Steve Thurow/ Força Aérea dos EUA
    Os bombardeiros B-1B Lancer dos EUA

    Recentemente, o Pentágono concedeu à fabricante de armas Northrop Grumman um contrato de US$ 13,3 bilhões (R$ 70,3 bilhões) para desenvolvimento do míssil balístico intercontinental de próxima geração que substituirá o Minuteman III, que está em serviço desde a década de 1970.

    "Devemos manter nossa modernização nuclear e investimentos em ataque de longo alcance estáveis e atempados para assegurar que estaremos preparados para o século XXI", ressaltou o general da Força Aérea.

    No início deste mês, os EUA realizaram um lançamento de teste do míssil balístico intercontinental Minuteman III, dotado de uma carga de reentrada múltipla com capacidade para várias ogivas nucleares de guiamento individual.

    Mais:

    Trump afirma ter construído sistema de armas nucleares 'que ninguém jamais teve'
    Força Aérea dos EUA constrói e faz decolar misterioso protótipo de caça de 6ª geração
    'Trem de mísseis' poderia ser resposta da Rússia à modernização nuclear dos EUA, diz jornal
    Tags:
    armas nucleares, Rússia, China, míssil balístico intercontinental, Força Aérea dos EUA, B-52, bombardeiro estratégico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar