05:09 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 432
    Nos siga no

    Os sistemas de mísseis antiaéreos Shtil-1 e os complexos Tor-M2DT, desenvolvidos para ao Ártico, entraram em serviço no Exército russo, disse Mikhail Fradkov, presidente do conselho de administração do consórcio russo Almaz-Antey.

    "Segundo os resultados dos testes estatais, o sistema de defesa antiaérea multicanal de médio alcance Shtil-1 entrou em serviço nas fragatas do projeto 11356 da Marinha russa. Por sua vez, o sistema de mísseis Tor-M2DT foi adotado nas unidades das Forças Terrestres, bem como nas unidades costeiras da Marinha", disse Fradkov.

    De acordo com o presidente do consórcio russo, o Shtil-1 é um sistema de mísseis guiados de médio alcance com lançamento vertical, projetado para a proteção completa de navios de guerra contra todos os meios possíveis de ataque aéreo, bem como para a realização de ofensivas contra alvos de superfície de um possível inimigo.

    Sistema antiaéreo Tor-M2DT durante disparos na costa do arquipélago de Nova Zembla
    © Sputnik / Serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Rússia
    Sistema antiaéreo Tor-M2DT durante disparos na costa do arquipélago de Nova Zembla

    O Tor-M2 (versão ártica) é um sistema tático de mísseis antiaéreos que pode ser utilizado em condições climáticas adversas, com temperaturas até 50 graus negativos. Foi projetado para defesa antiaérea contra aeronaves de combate, drones, mísseis e armas de alta precisão. Além disso, é usado para proteger centros de comunicação, postos de comando e outras instalações.

    Mais:

    Caça MiG-31 ascende à estratosfera durante manobras exibindo vista incrível da Terra (VÍDEO)
    Navios e aviação da Frota do Mar Negro conduzem exercícios militares perto da Crimeia (VÍDEO)
    Sistema de defesa antiaérea Tor-M2 é integrado na Frota do Báltico da Rússia
    Tags:
    equipamentos militares, Ártico, ataque aéreo, armamentos, Exército da Rússia, sistema de defesa antiaérea
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar