18:47 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7520
    Nos siga no

    Portal de notícias Sohu analisou o sistema de defesa antiaéreo russo S-400 e ressaltou vantagens de seu uso pela China.

    Entre as primeiras características consideradas foi o raio de ação de 400 km do sistema.

    Tal alcance não é atingido por outros sistemas estrangeiros de mísseis terra-ar.

    Além disso, o S-400 é capaz de interceptar mísseis balísticos a distâncias maiores do que os sistemas dos EUA.

    Na análise publicada foi citado o sistema HQ-9 chinês. Contudo, o S-400 é mais barato, além de ser mais prático e perfeito do que o S-300, também russo, que foi adquirido pela China.

    'Escudo nos céus'

    Em um cenário de guerra, o S-400 também pode ser usado para detectar e abater aeronaves de alerta e controle, dificultando a condução de operações militares do adversário.

    Como exemplo, a mídia considerou o uso do S-400 em território chinês, podendo monitorar a situação em regiões em torno da China.

    Desta forma, o equipamento poderia manter aeronaves americanas à distância do espaço aéreo chinês.

    Desenvolvendo seu próprio sistema

    O autor também acredita que ao obter tal sistema a China poderia estudar melhor as plataformas de defesa antiaérea com tecnologia estrangeira.

    O conhecimento obtido poderia ser usado para a criação de armamento nacional.

    Armamento cobiçado

    Além da própria Rússia, a Turquia já recebeu seus primeiros lotes do S-400, aprimorando sua defesa antiaérea.

    Por sua vez, a Índia encontra-se na fila de espera para receber o mesmo equipamento.

    Mais:

    Irã apresenta novo sistema antiaéreo: 'Mais potente que o S-300' (VÍDEO)
    'É um blefe': especialista comenta VÍDEO de helicóptero dos EUA que 'destrói' sistema russo S-400
    S-400 russos estarão operacionais em abril ou maio deste ano, diz Ministério da Defesa da Turquia
    Tags:
    Turquia, Índia, Rússia, China, armamento, sistema de defesa antiaérea, s-400
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar