02:55 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    131347
    Nos siga no

    Pentágono realizou exercício de simulação de ataque nuclear da Rússia contra alvos na Europa, assim como a hipotética reação dos EUA, segundo a revista National Defense.

    Os exercícios tiveram como objetivo representar o hipotético cenário de um ataque nuclear por parte da Rússia contra alvos da OTAN no continente europeu.

    "O cenário dos exercícios levou em consideração uma situação irregular na Europa, onde decorre uma guerra com a Rússia, e a Rússia decide usar de maneira limitada armamento nuclear de baixa potência contra um alvo no território da OTAN", declarou um representante do Pentágono citado pela revista National Defense.

    O funcionário disse que na simulação os EUA "responderam usando armas nucleares".

    Contudo, ele não deu detalhes sobre o alvo que a Rússia "atacou" na simulação e qual o tipo de arma nuclear que os EUA "usaram" em sua reação.

    Presença das autoridades

    Ainda segundo a fonte do órgão americano, a simulação contou com a presença do secretário de Defesa do país, Mark Esper, e congressistas.

    O objetivo seria dar a conhecer o formato de comunicações que seria usado durante uma crise nuclear.

    A simulação se deu depois de os EUA afirmarem não planejar instalar na Europa mísseis nucleares de baixa potência.

    Enquanto isso, o chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou ter proposto ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo, para aprovar uma declaração sobre a inadmissibilidade da deflagração de um conflito nuclear.

    O ministro afirmou que aguarda uma resposta por parte de Washington.

    Mais:

    Crise de refugiados na Caxemira pode causar guerra nuclear entre Índia e Paquistão, diz Khan
    Revista americana analisa 'supertanque' soviético em caso de guerra nuclear
    Erros técnicos e falha humana: 3 momentos em que o mundo esteve à beira da guerra nuclear
    Tags:
    Rússia, EUA, OTAN, ataque, mísseis, guerra nuclear
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar