02:33 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5101
    Nos siga no

    A China lamentou a decisão do Irã de reduzir ainda mais o cumprimento de seus compromissos com o acordo nuclear de 2015.

    Ao mesmo tempo, o governo do país asiático atribui a culpa pela atual crise à pressão excessiva dos Estados Unidos, conforme declaração desta segunda-feira (8) de Geng Shuang, porta-voz da chancelaria chinesa.

    O Irã anunciou em maio que havia descontinuado parcialmente seus compromissos sob o Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA) e deu à Europa 60 dias para garantir que os interesses do Irã fossem protegidos pelo acordo.

    O prazo dado pelo Irã aos países europeus expirou no domingo (7), e Teerã anunciou que o país estava preparado para começar a enriquecer urânio além do limite de 3,67% - que foi o estabelecido pelo JCPOA.

    "Eu gostaria de enfatizar que a 'pressão máxima' exercida pelos EUA é a causa da recente crise. Os EUA não apenas se retiraram do acordo, mas também estabeleceram mais e mais obstáculos para o Irã e outras partes [do acordo] através de sanções unilaterais", disse Geng em uma coletiva de imprensa, conforme citação do Ministério.

    "Garantir a implementação plena e efetiva do JCPOA é tanto a exigência da resolução do Conselho de Segurança da ONU quanto a única maneira viável de aliviar as tensões e resolver esse problema", afirmou Geng.

    Mais:

    França pede que Irã cumpra acordo nuclear
    AIEA confirma: Irã ultrapassou o limite de enriquecimento de urânio
    Chefe da Guarda Revolucionária: mundo sabe que Irã não está atrás de uma arma nuclear
    EUA vão aumentar pressão até o Irã encerrar programa nuclear, diz Bolton
    Tags:
    Teerã, Geng Shuang, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Irã, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar