08:38 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    13631
    Nos siga no

    O uso massivo de porta-aviões durante a Segunda Guerra Mundial ajustou as táticas de batalha naval, fazendo surgir os mísseis antinavio. Hoje, uma poderosa defesa antiaérea é operada nos modernos navios militares russos.

    Os maiores avanços tecnológicos da Marinha russa são considerados as fragatas polivalentes da zona longínqua do projeto 22350 Admiral Gorshkov e Admiral Kasatonov (em fase de testes estatais).

    Essas fragatas são as primeiras a equipar o sistema de defesa antimíssil de baseamento marítimo com a instalação do lançamento vertical Redut, que inclui a mais recente estação de radar Poliment com quatro antenas capazes de acompanhar simultaneamente até 16 alvos.

    Navios invulneráveis

    O sistema de mísseis antiaéreos Redut é equipado com três tipos de mísseis: 9M96D de longo alcance (até 150 quilômetros), 9M96 de médio alcance (até 120 quilômetros) e 9M100 de curto alcance (até 15 quilômetros). No futuro, eles serão complementados por um novo produto que atinge alvos aéreos em distâncias de até 400 quilômetros. Como resultado, o navio sob a proteção do sistema Redut será virtualmente invulnerável.

    Navios de guerra da Marinha russa navegam durante o desfile do Dia da Marinha, em São Petersburgo, Rússia
    © Sputnik / Aleksei Nikolskii
    Navios de guerra da Marinha russa navegam durante o desfile do Dia da Marinha, em São Petersburgo, Rússia

    A defesa antiaérea da fragata Admiral Gorshkov age da seguinte forma. O radar Poliment detecta um alvo aéreo e transmite dados para o sistema de controle de informação de combate Sigma, que captura a aeronave inimiga lançando um míssil contra o alvo em 30 segundos.

    No alcance máximo do alvo são disparados mísseis 9M96D e 9M96, que, segundo o fabricante, destruirão o míssil de cruzeiro do navio atacante com uma probabilidade de 70%, de aviões - 80%, de helicópteros - 90%.

    Para eliminarem ataque aéreo, que conseguiu burlar os mísseis, os navios de guerra modernos têm sistemas de artilharia antiaérea. Essas instalações criam uma densidade de fogo tão elevada que é quase impossível penetrar através dela.

    Proteção abrangente

    Além das fragatas do projeto 22350, os sistemas de mísseis antiaéreos Redut também são instalados nas corvetas do projeto 20380. Esses navios não só se protegem de ataques antiaéreos, mas também protegem outras embarcações que não são equipadas com sistemas de defesa antiaérea de longo alcance.

    Os mísseis são lançados pelo método catapulta  ̶  a carga em pó ejeta um "charuto" antiaéreo dez metros acima do convés, onde ela faz uma curva até o alvo, e depois liga os motores da marcha. Isto assegura a proteção circular do navio (360 graus de fogo) e uma velocidade de 30 lançamentos por minuto: assim que o primeiro míssil é lançado, o segundo já pode ser iniciado para lançamento.

    Um militar a bordo do cruzador nuclear pesado Pyotr Velikiy no Atlântico
    © Sputnik / Serviço de Imprensa da Frota do Norte/Andrey Luzik/USO EDITORIAL
    Um militar a bordo do cruzador nuclear pesado Pyotr Velikiy no Atlântico

    Mas o mais poderoso sistema de defesa antiaérea da Marinha russa é equipado com cruzadores nucleares pesados do projeto 1144 Orlan - Pyotr Veliky e Admiral Nakhimov (que está em processo de modernização).

    O navio almirante da Frota do Norte tem o S-300F com 48 mísseis e um alcance de até 150 km, e o S-300FM com 46 mísseis que atingem o alvo a uma distância de 200 km. A primeira é instalada na popa do navio e a segunda na proa. Após a modernização, o Admiral Nakhimov receberá como sistema de mísseis antiaéreos de longo alcance uma modificação da frota do S-400 com 96 mísseis.

    Ameaças inimigas

    "A presença da moderna defesa antiaérea desempenha um papel crucial para garantir a sobrevivência de um navio de guerra", disse o ex-comandante da Frota do Norte, almirante Vyacheslav Popov.

    "Na batalha naval moderna, a principal ameaça para a frota é a aviação inimiga. Em segundo lugar - os submarinos. Mas não é correto fazer uma conclusão geral, porque tudo depende da situação operacional específica nas áreas onde as hostilidades são conduzidas. Em certas etapas, a principal ameaça vem de meios de ataque aéreo, em outras - as forças submarinas. Em terceiro - navios de superfície com mísseis de longo alcance", complementou o almirante.

    Segundo Popov, tais complexos a nível de Poliment-Redut podem resolver qualitativamente esta questão e melhorar significativamente a eficiência da Marinha russa tanto em águas costeiras como em mar aberto.

    Mais:

    'Navio mais poderoso da Rússia': Admiral Nakhimov é 'potente ameaça', segundo mídia americana
    Fortalezas flutuantes: conheça os mais modernos navios da Marinha da Rússia
    Almirante norte-americano recomenda seguir exemplo da Rússia na esfera militar
    Tags:
    Rússia, fragata, radar, OTAN, Marinha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar