00:34 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7321
    Nos siga no

    O comandante da Marinha dos EUA na Europa, James Foggo, afirmou que os aliados de Washington precisam seguir o exemplo da Rússia para reforçar a defesa com recursos limitados.

    O chefe da Marinha dos EUA na Europa, almirante James Foggo, afirmou em entrevista a jornalistas da Defense Writers Group que os aliados de Washington que procuram reforçar a defesa com recursos limitados precisam seguir o exemplo da Rússia.

    "Quanto ao potencial de defesa, como eu digo aos nossos aliados e parceiros, se vocês têm recursos limitados para proteger sua costa, então pensem sobre o que fazem os russos com os sistemas A2/AD [de defesa antiacesso e negação de área] e obtenham sistemas semelhantes. As minas 'inteligentes'. Os mísseis de cruzeiro antinavio. Os radares costeiros, que vão funcionar juntos", recomendou Foggo.

    O sistema A2/AD é a concepção de detenção do inimigo, principalmente com um complexo de armas, com a criação de perigo alto para o deslocamento ou movimento das forças dele para uma área protegida.

    Exercícios das Frotas do Mar Báltico e do Norte da Marinha russa
    © Sputnik / Sergei Guneev
    Exercícios das Frotas do Mar Báltico e do Norte da Marinha russa

    De acordo com a edição Business Insider, a Rússia deslocou ao longo de suas fronteiras orientais sistemas A2/AD, sistemas de defesa antiaérea S-300 e S-400, sistemas de mísseis antinavio e sistemas de mísseis balísticos e de cruzeiro na cidade de Kaliningrado, na costa do mar Báltico, na península da Crimeia e em outros pontos do mar Negro.

    Mais:

    Novo logo da Força Espacial dos EUA provoca risos na web (FOTOS)
    Defesa russa confirma 'intercepção' de comboio militar da Rússia pelos EUA na Síria
    EUA iniciam desenvolvimento de tecnologias para interceptar armas hipersônicas
    Tags:
    mísseis antinavio, sistema antinavio, defesa antimísseis, defesa antiaérea, defesa, Rússia, EUA, almirante
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar