19:53 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0380
    Nos siga no

    As cinco mais recentes classes de navios russos possuem características e equipamentos que as tornam poderosas e altamente avançadas.

    Não é segredo que a Rússia tem investido grandes recursos na sua frota naval nas últimas décadas. Tal esforço tem produzido resultados, desde a construção de fragatas a navios de patrulha que, não obstante o tamanho, se destacam pelo seu poder de fogo e modernos sistemas eletrônicos.

    'Computador flutuante'

    Em julho de 2018, a Frota do Norte da Marinha russa recebeu a primeira fragata do projeto 22350, a Admiral Gorshkov. O segundo representante desta classe está sendo submetido a testes e deverá ser entregue à Marinha russa até o final do ano.

    Tais fragatas possuem um deslocamento de 5,4 mil toneladas e são consideradas as embarcações mais avançadas da Marinha russa.

    Todos os equipamentos mais modernos, desde dispositivos radioeletrônicos até sistemas antiaéreos e peças de artilharia, já foram testados no primeiro navio desta classe.

    Seu poder de fogo está nos 16 tubos de lançamento vertical de mísseis, complexo antiaéreo Poliment-Redut, desenvolvido especialmente para os novos navios de guerra russos, e a peça de artilharia antiaérea ZRK Palash, projetada para abater alvos próximos.

    No vídeo abaixo é possível ver o Admiral Gorshkov atracando em um porto chinês em abril de 2019 para a cerimônia dos 70 anos da fundação da Marinha do Exército Popular de Libertação da China.

    O navio está ainda equipado com um canhão A-192 de 130 mm, capaz de realizar 30 disparos por minuto e atingir alvos até 23 km.

    Para a guerra antissubmarina, os navios do projeto 22350 possuem quatro tubos de torpedo Paket-NK.

    Todo o controle do navio é feito com sistemas digitais. Desta maneira, as fragatas do projeto 22350 são verdadeiros "computadores flutuantes", capazes de realizar diversas missões com a menor interferência humana possível.

    Seu sistema de controle conecta todos os equipamentos com um centro de gerenciamento único.

    Os navios podem alcançar 30 nós (cerca de 55,5 km/h) e têm autonomia de navegação de aproximadamente um mês. Apesar de serem recentes, uma versão atualizada da fragata, a 22350M, deverá ter seu primeiro exemplar pronto em sete anos e possuirá um deslocamento de 7 mil toneladas.

    Guerreiros multifuncionais

    Em março de 2016 entrou ao serviço da Frota do Mar Negro o primeiro navio de patrulha do projeto 11356, o Admiral Grigorovich. Os navios desta classe são destinados a combater embarcações de superfície e submarinos, repelir ataques aéreos, em grupo ou sozinhos, e alvejar posições inimigas em terra.

    Com oito silos de mísseis 3C14, os navios do projeto 11356 podem disparar tanto mísseis Kalibr-NK como os antinavio Oniks.

    Para alvejar navios a curta distância, o Admiral Grigorovich possui um canhão A-190 de 100 mm, podendo atingir alvos até 21 km.

    Fragata Admiral Grigorovich dispara mísseis Kalibr contra alvos terroristas na Síria (foto de arquivo)
    © Sputnik / Ministério da Defesa russo
    Fragata Admiral Grigorovich dispara mísseis Kalibr contra alvos terroristas na Síria (foto de arquivo)

    Para guerra antissubmarina, os navios patrulha possuem um lançador de bombas reativas RBU-6000 com 12 tubos, assim como quatro tubos de torpedo de 533 mm.

    Sua defesa antiaérea é assegurada pelo complexo de mísseis Shtil-1, capaz de atingir alvos até 50 km e duas peças de artilharia antiaérea AK-630M para alvos próximos.

    Todo o arsenal da embarcação é gerenciado pelo sistema de controle de tiro Puma, com capacidade de buscar, detectar e perseguir alvos a grande distância.

    Além disso, um sistema de processamento de informações recolhe dados dos postos do navio e os repassa para sua tripulação.

    O deslocamento da embarcação é de 4.035 toneladas e a velocidade máxima é de 30 nós, com navegação autônoma de um mês.

    Defesa costeira

    Atualmente a Marinha russa conta com seis corvetas do projeto 20380, destinadas a atuar junto às costas do país contra navios de superfície e submarinos, assim como auxiliar os fuzileiros navais.

    Seu armamento principal é o sistema Uran-U, armado com mísseis antinavio X-35. Cada um deles possui uma carga incendiária e de fragmentação, capaz de destruir navios de qualquer tipo a uma distância de até 260 km.

    Enquanto isso, a defesa antiaérea da embarcação é feita por um sistema de mísseis antiaéreos Redut, com alcance de 150 km.

    Canhão automático A-190 da corveta russa Sovershenny
    © Sputnik / Andrei Stanavov
    Canhão automático A-190 da corveta russa Sovershenny

    O navio também conta com um canhão A-190 de 100 mm e quatro tubos de torpedo Kalibr-NK.

    O navio possui ainda um helicóptero Ka-27 carregado a bordo, enquanto a estrutura do navio conta com tecnologia furtiva, reduzindo sua detecção pelo inimigo.

    Seu deslocamento é de 2.220 toneladas, velocidade de 27 nós e autonomia de 15 dias.

    Projeto 21631

    De 2014 até 2019, oito navios do projeto 21631 Buyan-M entraram no serviço da Marinha russa.

    Apesar de seu deslocamento ser de 950 toneladas, os navios desta classe possuem oito silos para mísseis Kalibr-NK. Durante a campanha síria, estes navios alvejaram posições terroristas a grande distância.

    Além disso, cada unidade desta classe possui um canhão A-190 de 100 mm e uma peça de artilharia antiaérea AK-630M-2.

    Corveta da Marinha russa Grad Sviyazhsk do projeto Buyan-M
    © Foto / Serviço de imprensa do Distrito Militar Sul da Rússia
    Corveta da Marinha russa Grad Sviyazhsk do projeto Buyan-M

    Contudo, o navio não pode ser usado em tempestades de nível 5.

    Para maiores ações no mar alto, a Marinha russa usa embarcações do projeto 22800 Karakurt. Dois navios desta classe já foram incorporados à Frota do Mar Báltico, enquanto outras 14 unidades estão em construção.

    A arma principal dos Karakurt são os mísseis Kalibr.

    Seu deslocamento é de 800 toneladas e em seu convés está instalado um canhão AK-176MA de 76,2 mm, enquanto a defesa antiaérea é feita por duas peças AK-630 M, enquanto os outros exemplares da classe deverão ser armados com uma ZRK Pantsir-ME.

    Mais:

    Marinha russa deve receber 1° submarino nuclear atualizado Borei-A
    Marinha russa revela 'segredos' de seus navios e submarinos
    Secretário da Marinha dos EUA 'preocupado' com uso de peças russas em seus navios
    Tags:
    Admiral Gorshkov, Admiral Grigorovich, Marinha da Rússia, navios russos, navio de guerra, Kalibr, Kalibr-NK, Oniks
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar