00:23 05 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5511
    Nos siga no

    Marinha americana instalou um canhão a laser no destróier USS Dewey desenvolvido para neutralizar drones e mísseis inimigos, segundo mídia dos EUA.

    O novo equipamento seria capaz de lançar um raio a laser que "cegaria" tanto drones quanto mísseis guiados por raios infravermelhos.

    Conforme publicou o portal The Drive, o suposto equipamento foi instalado a bordo do destróier americano USS Dewey. A informação teria sido passada ao portal por uma fonte oficial.

    Torre misteriosa aparece no destróier USS Dewey

    A foto publicada pelo portal no Twitter mostra a embarcação atracada em uma base da Marinha dos EUA em San Diego. Anteriormente, o destróier já tinha recebido outras tecnologias semelhantes.

    Canhão a laser

    De acordo com a mídia americana, o suposto canhão seria o sistema ODIN, capaz de "cegar" os instrumentos de orientação por raios infravermelhos de drones e mísseis.

    Desta forma, o equipamento poderia defender os navios de guerra americanos contra mísseis antinavio, mísseis balísticos e aeronaves não tripuladas.

    "[O ODIN] pode cegar estes mísseis, desviando-os de seu curso ou para o mar quando eles realizam ataques kamikaze", declarou o autor do artigo do The Drive, o jornalista Tyler Rogoway.

    Os chefes militares dos EUA estão alegadamente a desenvolver várias armas de energia direcionada para uso a bordo de navios.

    O desenvolvimento de tal equipamento seria uma resposta dos EUA ao constante uso da radiação infravermelha nos sistemas de orientação de mísseis da China e da Rússia, de acordo com a mídia.

    Mais:

    General americano propõe defender bases dos EUA com arma de laser
    Cientistas criam laser de nova geração capaz de proteger a Terra de asteroides
    Reino Unido faz investimento multimilionário em armas laser e de radiofrequência
    Tags:
    San Diego, Marinha dos EUA, USS Dewey, destróier, navio de guerra, arma a laser
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar