01:38 16 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistemas de defesa antiaérea S-400 Triumph

    Turquia com S-400 pode deixar países do golfo Pérsico sem caças F-35, diz revista americana

    © Sputnik / Yevgeny Odinokov
    Defesa
    URL curta
    5221
    Nos siga no

    A retirada de Ancara do programa dos caças F-35 pode deixar os EUA relutantes em vender as aeronaves a países que tenham laços militares com Moscou, estimam especialistas consultados pela revista Defense News.

    De acordo com a revista, a compra dos sistemas russos de defesa aérea S-400 pela Turquia pode levar os EUA a evitarem vender caças de quinta geração norte-americanos F-35 a países do golfo Pérsico nos próximos anos.

    Em 2017, a feira internacional aeroespacial Dubai Airshow "estava repleta" de notícias de que os EUA iriam negociar o fornecimento de caças F-35 para os Emirados Árabes Unidos.

    Caças F-35A Lightning II (foto de arquivo)
    © AP Photo / Chris Drzazgowski
    Caças F-35A Lightning II (foto de arquivo)

    Na época, os funcionários norte-americanos estavam confiantes de que era possível fornecer aos países da região "uma das peças mais aguardadas e sensíveis da tecnologia norte-americana", lembra a publicação. Neste ano, nas vésperas da nova edição da feira, o quadro é bem diferente.

    Loren Thompson, analista de defesa do Instituto Lexington, explica que os países do golfo há anos que "estão no radar" da Lockheed Martin, a fabricante do F-35. Mas, no contexto atual, não há venda "eminente":

    "Os Emirados Árabes Unidos seriam o candidato mais provável, mas, considerando o que aconteceu com a Turquia no caso dos F-35, não parece provável que haja um acordo em vista", disse Thompson.

    De acordo com uma diretora da Lockheed Martin, Marillyn Hewson, "há um desejo por parte do Oriente Médio" em adquirir estes caças:

    "Acredito que, em algum momento, o governo dos EUA irá lançar essa tecnologia no Oriente Médio, como fez nos casos do F-15 e do F-16", opinou Hewson.

    Moscou também encara o Oriente Médio como "terreno fértil" para a sua venda de armamentos, incluindo aviões de combate e sistemas de defesa aérea de fabricação russa, como o S-400.

    Caças norte-americanos F-35
    © AP Photo / Petros Karadjias
    Caças norte-americanos F-35

    O artigo destaca as negociações entre a Rússia e o Qatar sobre uma possível venda de sistemas S-400 e a recente proposta, feita pelo presidente russo Vladimir Putin, de fornecer esse sistema antiaéreo para a Arábia Saudita.

    "Se não vão vender F-35 a um país aliado da OTAN que está adquirindo equipamentos de defesa russos, certamente não irão dar autorização para vender a um país que não é sequer um aliado formal e esteja comprando sistemas de defesa antiaérea russos", disse o analista de segurança nacional do American Enterprise Institute, Gary Schmitt.

    O analista aeroespacial do Teal Group, Richard Aboulafia, por sua vez, aponta que os EUA poderiam continuam ignorando o fato de países do golfo comprarem tecnologia militar chinesa ou russa, como tanques ou artilharia. Mas quando o assunto é sofisticados sistemas de defesa antiaérea como o S-400, a abordagem é outra:

    "Veículos blindados para transporte de pessoal? Quem se importa com isso? Mas, se estamos falando de radares de rastreamento que podem transmitir dados em grande quantidade, então passamos dos limites", concluiu Aboulafia.

    A Turquia adquiriu o sistema de defesa antiaérea russo S-400, apesar de ser membro da aliança militar do Atlântico Norte, a OTAN.

    Em resposta, os Estados Unidos retiraram o país de seu programa de desenvolvimento e produção dos caças de quinta geração F-35 e ameaçam Ancara com sanções econômicas.

    Mais:

    EUA ainda querem que Turquia cancele acordo sobre S-400, relata mídia
    Noruega inaugura 'nova era' de F-35 operacionais (FOTOS, VÍDEO)
    Sistema de defesa aérea S-400 abate 14 aviões em três minutos
    Tags:
    F-35, feira militar, Lockheed Martin, EAU, Arábia Saudita, S-400, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar