20:34 15 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil balistico intercontinental R-36М2 Voevoda

    Saiba de que maneira Rússia consegue preservar paridade nuclear com EUA

    © Foto / Ministério da Defesa da Rússia
    Defesa
    URL curta
    4314
    Nos siga no

    Ontem (17), na Rússia se celebrou o dia da Força Estratégica de Mísseis, cujo principal objetivo consiste em conter uma possível agressão e manter a paridade nuclear com os norte-americanos.

    Nesta matéria, propomos analisar de que maneira Moscou está empenhada na modernização destas tropas.

    Hoje em dia, a Força Estratégica de Mísseis da Rússia possui cerca de 400 sistemas de baseamento móvel e em silos.

    Rearmamento em curso

    Hoje em dia, a força, que acabou de fazer 58 anos, está dividida em três exércitos de mísseis com quartéis-generais nas cidades de Vladimir, Orenburgo e Omsk, que no total são compostos por 11 divisões.

    Segundo avaliou o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS, na sigla em inglês), a Força Estratégica de Mísseis da Rússia conta 50 mil efetivos, o que representa entre 6 % e 7% da composição total das Forças Armadas da Rússia.

    Nas primeiras duas décadas de sua existência, a Força Estratégica de Mísseis da Rússia viveu uma fase de rearmamento ativo por causa da produção constante de mísseis novos mais modernos. Entre 1966 e 1978, o número de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) aumentou de 330 para 1360.

    Ao mesmo tempo, a União Soviética prestava bastante atenção à construção de mísseis de médio e curto alcance, embora sua parcela não fosse muito grande (cerca de 25-30% do número total de mísseis com ogivas nucleares).

    Em 1991, todos os mísseis de médio e curto alcance, bem como seus lançadores, foram desmantelados em concordância com o respectivo tratado celebrado em 1987, o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, também conhecido como Tratado INF.

    A caminho da 5ª geração

    Em uma entrevista ao jornal Krasnaya Zvezda (edição de 15 de dezembro de 2017), o chefe da Força Estratégica de Mísseis da Rússia, Sergei Karakaev, informou que as respectivas tropas, tal como anteriormente, continuam usando os sistemas móveis e os de silo em quantidades semelhantes.

    De acordo com o alto responsável militar, hoje em dia a Força Estratégica de Mísseis da Rússia possui mais de 200 sistemas de lançamento móveis, isto é, o RT-2PM Topol, o RT-2PM2 Topol-M e o novíssimo sistema 15P155M equipado com mísseis RS-24 Yars. Karakaev frisou que hoje em dia são precisamente estes mísseis Yars que constituem a base móvel da Força Estratégica de Mísseis.

    "Em comparação com o sistema anterior Topol, a capacidade de sobrevivência do Yars aumentou em várias vezes. E esta não é sua única vantagem. Este sistema está melhor protegido, tem sistema de comando mais estável e é menos visível para os meios técnicos de reconhecimento", observou.

    No que se trata dos sistemas de silo, aqui prevalece o R-36M Voevoda, que o Ocidente batizou de "Satã", que ficará em serviço até 2024 (com a possibilidade de prolongamento até os anos 2025-27) antes de ser substituído pelo sistema RS-28 Sarmat (Satã 2), cujos primeiros testes de lançamento estão agendados para o final do ano corrente.

    Espera-se que as ogivas dos novos sistemas sejam capazes de ultrapassar até os sistemas de defesa antimíssil mais poderosos no mundo.

    Mais:

    Rússia protegerá ilhas estratégicas com 'bastião' de mísseis
    Veja os mísseis antiaéreos russos em ação (VÍDEO)
    EUA acusam a Rússia de desenvolver secretamente mísseis de cruzeiro terrestres
    'Requer-se enfoque mais responsável': Moscou acusa EUA de violar tratado de mísseis
    Impasse nuclear: por que Rússia e EUA não conseguem um compromisso sobre mísseis?
    Moscou pode instalar mísseis de superlongo alcance para 'criar ameaça' a Washington
    Tags:
    Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), modernização, contenção, mísseis, RS-28 Sarmat, Topol, Yars, Força Estratégica de Mísseis, URSS, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar