01:18 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1162
    Nos siga no

    Dez mil anos depois de os mamutes lanosos terem sido extintos, os cientistas estão avançando com o plano de trazer estes animais majestosos de volta à tundra do Ártico.

    A perspectiva de "ressuscitar" os mamutes tem sido discutida muitas vezes durante mais de uma década, no entanto nesta segunda-feira (13) pesquisadores da empresa de biociência e genética Colossal anunciaram ter recebido financiamento que pode tornar esta ideia em realidade.

    A empresa, fundada por Ben Lamm, um empreendedor de tecnologia e software, e George Church, professor de genética na Escola Médica de Harvard, já angariou US$ 15 milhões (R$ 78,4 milhões).

    Os objetivos iniciais dos cientistas é criar um híbrido elefante-mamute. Para que isso aconteça serão elaborados em laboratório embriões que contenham DNA de mamute.

    O ponto de partida do projeto consiste na coleta de células cutâneas de elefantes asiáticos, que estão em perigo de extinção, e reprogramá-las em células estaminais, mais versáteis, que transportem DNA de mamute.

    Mamute Yuka encontrado em Yakútia, na costa do mar de Laptev, Rússia
    © Sputnik / Vitaly Ankov
    Mamute Yuka encontrado em Yakútia, na costa do mar de Laptev, Rússia

    Os genes particulares que são responsáveis pela pelagem de mamute, camadas de gordura e outras adaptações climáticas para o frio serão identificados através da comparação de genomas de mamutes, extraídos de animais encontrados e recuperados do permafrost, com os dos elefantes asiáticos em questão.

    A seguir, estes embriões passarão por gestação em uma "mãe de aluguel" ou potencialmente em um útero artificial. Se tudo correr segundo planejado, os pesquisadores esperam ter as primeiras crias em seis anos.

    "O nosso objetivo é criar um elefante resistente ao frio, mas ele terá aparência e comportamento de mamute. Não porque estejamos tentando enganar alguém, mas porque queremos algo que seja funcionalmente equivalente ao mamute, que desfrute de temperaturas a 40 °C negativos e faça todas as coisas que os elefantes e os mamutes fazem, em particular, derrubar árvores", disse professor de genética Church ao jornal The Guardian.

    O projeto se enquadra em um tentativa de ajudar a conservar os elefantes asiáticos, dotando-os de traços que lhes permitam prosperar nas vastas regiões do Ártico.

    Mais:

    Raro osso de mamute é descoberto na Flórida por 2 mergulhadores (FOTOS)
    'Sonho tornado realidade': paleontólogos encontram na Rússia DNA dos hominídeos mais antigos (FOTOS)
    Antiga relíquia romana com órgão genital de 2 mil anos é encontrada no Reino Unido (FOTO)
    Tags:
    mamute, permafrost, Ártico, DNA, elefantes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar