21:36 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Pesquisadores fizeram um estudo envolvendo sete voluntários que se deixaram infectar com a malária, descobrindo, entre outras coisas, que a variante P. vivax do vírus é mais forte.

    Os parasitas da malária, especialmente da variedade Plasmodium vivax, alojam-se em grande número no baço das pessoas com malária crônica, afirmam cientistas em pesquisa.

    Segundo informou na terça-feira (1º) o portal EurekAlert, trata-se de uma experiência conduzida em sete voluntários saudáveis, que se deixaram infectar com a doença, e nunca sofreram dela no passado. Três deles foram infectados com uma dose do vírus P. vivax e quatro com o P. falciparum. Uma semana antes e depois da infecção, os cientistas mediram a absorção da substância no baço, fígado e medula óssea, descobrindo que a maioria dos parasitas estava escondida no baço.

    "Ao realizar este novo estudo de imagem em participantes submetidos à infecção experimental por malária, foi possível ver o que acontece dentro de órgãos específicos durante os estágios iniciais da infecção na fase do sangue", explicou John Woodford, coautor do estudo, citado pelo EurekAlert.

    O efeito da malária foi mais forte para os participantes infectados com o P. vivax, e não foi detectado dano no fígado e na medula óssea durante o período de tempo estudado.

    A descoberta, cujos resultados foram publicados na revista PLOS Medicine, explica por que os casos crônicos de malária muitas vezes passam despercebidos nos exames de sangue.

    Os cientistas também demonstraram que a velocidade com que esses parasitas atingem o baço é aproximada à primeira semana em que a infecção se instala no corpo.

    Segundo o portal Science Alert, o estudo pode ser um grande passo para os pesquisadores esclarecerem o ciclo de vida do parasita da malária, podendo levar a repensar as atuais estratégias de erradicação da doença.

    Mais:

    Cientistas farão mosquitos transmissores de malária não sugarem sangue humano
    Cientistas revelam que humanos sofreram malária há 7 mil anos, bem antes do que se sabia previamente
    Cientistas nos EUA usam 'tesoura genética' para tentar controlar transmissão de parasita da malária
    Por que algumas pessoas são mais picadas por mosquitos que outras?
    Mosquito asiático chega à África e coloca em risco de malária 126 milhões de pessoas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar