21:26 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    191
    Nos siga no

    Amostras antigas revelaram que o vírus da gripe espanhola de 1918, que causou a pandemia nesses anos, sofreu mutações, algo que também acontece com o novo coronavírus. A descoberta poderia explicar por que as ondas posteriores da gripe espanhola foram piores do que a primeira.

    O vírus que causou a pandemia da gripe espanhola ainda circula. No entanto, era muito mais mortal então, principalmente porque somos descendentes de pessoas que sobreviveram à infecção há mais de 100 anos e herdamos alguma forma de imunidade genética, revelou o autor principal do estudo, Sébastien Calvignac-Spencer.

    Para entender se as novas variantes do vírus influenza foram piores, os cientistas estudaram seis pulmões humanos datados dos anos da pandemia de 1918 e 1919, conservados em formalina, em arquivos de patologia na Alemanha e Áustria. Os pesquisadores determinaram que os três pulmões contêm vírus influenza.

    Os resultados da pesquisa, publicada no portal bioRxiv, sugerem que o vírus sofreu uma mutação para se tornar mais eficaz entre a primeira onda e as ondas posteriores, evoluindo para melhor superar as defesas celulares contra a infecção, disse Calvignac-Spencer.

    As mutações genéticas que surgiram entre a primeira e a segunda ondas podem ter feito com que o vírus se adaptasse melhor à propagação entre os humanos do que entre as aves, seus hospedeiros naturais.

    Outra mutação pode ter mudado a forma como o vírus interage com a proteína humana Mxa, que ajuda a realizar a resposta imune do corpo a novos patógenos.

    Enfermeiras voluntárias da Cruz Vermelha dos EUA atendem pacientes com gripe no Auditório Municipal de Oakland, EUA, usado como hospital temporário em 1918
    © AP Photo / Biblioteca do Congresso dos EUA / Edward A. "Doc" Rogers / Handout
    Enfermeiras voluntárias da Cruz Vermelha dos EUA atendem pacientes com gripe espanhola nos EUA
    Embora os cientistas não saibam ao certo como as mutações genéticas mudaram o comportamento do vírus, "supõe-se que estas mudanças ajudaram o vírus a evitar um dos mecanismos que as células [humanas] utilizam para desativar os vírus da gripe", segundo Calvignac-Spencer.

    "É interessante fazer paralelos, por exemplo, o fato de ter havido múltiplas ondas sucessivas é um padrão intrigante", disse o cientista sobre a comparação da pandemia de 1918 e a pandemia da COVID-19.

    Os cientistas podem saber hoje mais sobre a pandemia da COVID-19 do que jamais poderiam sobre a da gripe espanhola. Quanto mais os pesquisadores aprenderem sobre a pandemia atual, tanto mais entenderão a pandemia anterior, e não o contrário, revelou o cientista.

    Um avanço significativo foi os pesquisadores terem conseguido sequenciar com precisão o genoma do vírus em tecido humano preservado em formalina por mais de 100 anos, o que era difícil até agora.

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    EMA faz alerta de dados insuficientes sobre corticosteroides inalados para tratar COVID-19
    Cientistas podem ter descoberto causa da coagulação sanguínea após vacinação contra COVID-19, diz FT
    Mais mortes estão relacionadas com vacina da Pfizer do que com AstraZeneca, diz relatório
    Cientistas descobrem quem espalha a maioria das partículas virais da COVID-19
    Tags:
    pandemia, estudo, gripe, vírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar