01:50 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil vs. coronavírus no fim de maio de 2021 (47)
    4100
    Nos siga no

    A identificação dos primeiros casos da variante indiana do SARS-CoV-2 no Maranhão trouxe preocupação para autoridades sanitárias do país. Para médica ouvida pela Sputnik Brasil, risco de uma nova onda de casos é uma realidade.

    O governo do Maranhão confirmou ontem (20) os primeiros casos oficiais da cepa indiana (também chamada de B.1.617.2) do coronavírus no Brasil. A variante está presente em 51 países, e o Brasil é segundo na América do Sul a ter identificado a cepa.

    Ao todo, 15 pessoas que estavam a bordo do navio MV Shandong da Zhi, ancorado no litoral do Maranhão, apresentaram sintomas da COVID-19 assim que desembarcaram.

    Dessas, seis testaram positivo para a cepa indiana a partir de um estudo genômico. Porém, cerca de 100 pessoas tiveram contato com os infectados, aumentando as possibilidades um surto na região.

    Diante das notícias estarrecedoras para um país que soma mais de 420 mil mortes na pandemia, a Sputnik Brasil conversou com a médica Raquel Stucchi, médica infectologista e professora da Faculdade de Medicina da Unicamp.

    Familiares de falecido devido à doença do novo coronavírus (COVID-19) choram antes de sua cremação em um crematório no povoado de Giddenahalli, periferia de Bengaluru, Índia, 13 de maio de 2021
    © REUTERS / Samuel Rajkumar
    Familiares de falecido devido à doença do novo coronavírus (COVID-19) choram antes de sua cremação em um crematório no povoado de Giddenahalli, periferia de Bengaluru, Índia, 13 de maio de 2021

    A especialista em saúde revelou preocupação com as recentes notícias sobre a pandemia no Maranhão. Para ela, "a nova variante indiana pode provocar uma nova onda, com aumento no número de casos, necessidade de mais internações, e de óbitos também. O que se sabe até agora sobre esta variante é que ela tem uma transmissibilidade muito alta".

    Questionada se o governo brasileiro não teria errado ao deixar de impor restrições à entrada de viajantes da Índia, a médica explicou que isso "teria sido muito importante".

    Ativistas da organização não governamental Rio de Paz carregam a bandeira brasileira, enquanto exibem centenas de sacos de plástico representando mortos e relembrando os 400 mil óbitos pela COVID-19, durante protesto contra a política de Jair Bolsonaro para a COVID-19, praia de Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil, 30 de abril de 2021
    © REUTERS / Pilar Olivares
    Ativistas da organização não governamental Rio de Paz carregam a bandeira brasileira, enquanto exibem centenas de sacos de plástico representando mortos e relembrando os 400 mil óbitos pela COVID-19, durante protesto contra a política de Jair Bolsonaro para a COVID-19, praia de Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil, 30 de abril de 2021

    Contudo, enfatizou que "é preciso lembrar que a variante leva do nome do local onde ela foi identificada pela primeira vez, mas eu não preciso ter uma pessoa contaminada vinda da Índia para introdução desta variante no Brasil". Em seguida, Raquel Stucchi disse que "as variantes surgem quando o vírus se multiplica muito, e então acontecem as mutações, e eventualmente a gente poderá ter mutações acontecendo no Brasil muito semelhantes às encontradas na Índia".

    Por fim, a médica reconheceu que "não termos barreiras contra pessoas vindas da Índia traz mais insegurança e aumento no número de contaminados".

    A Sputnik Brasil ainda perguntou à médica quais soluções poderiam ser adotadas neste momento, principalmente tendo em vista que a linhagem B.1.617 foi classificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como uma "variante de preocupação", e as imagens que chegavam da Índia nas últimas semanas ante o avanço da pandemia.

    "Neste momento, o que nós podemos fazer é acelerar a vacinação. A segunda é manter a divulgação das medidas de higiene sanitária, como distanciamento social e o uso de máscaras", disse Raquel Stucchi, ressaltando que ainda não se sabe a eficácia das vacinas que o Brasil utiliza contra a variante indiana.

    Trabalhadores da Saúde preparam doses da vacina CoronaVac durante a vacinação para pessoas de 71 anos ou mais no Rio de Janeiro, no Brasil, no dia 31 de março de 2021
    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Trabalhadores da Saúde preparam doses da vacina CoronaVac durante a vacinação para pessoas de 71 anos ou mais no Rio de Janeiro, no Brasil, no dia 31 de março de 2021

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil vs. coronavírus no fim de maio de 2021 (47)

    Mais:

    Variante brasileira corresponde a 90% dos casos de COVID-19 em SP, diz estudo
    Nova variante do SARS-CoV-2, da linhagem da P1, é detectada no Rio, aponta estudo
    Rússia recebe amostra de variante do novo coronavírus da Índia para estudos
    COVID-19: frequência da variante de Manaus cresce mais que 10 vezes em Portugal em 1 mês; entenda
    Tags:
    Unicamp, Índia, Brasil, Associação Médica Brasileira, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar