07:36 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    0 193
    Nos siga no

    O país asiático está enfrentando uma infecção que ocorre após COVID-19, que afeta tanto o cérebro com os pulmões de uma pessoa, enquanto os fungos pretos e brancos apenas afetam um desses cada.

    Em meio à luta da Índia contra a infecção da COVID-19 por fungos pretos e brancos, o primeiro caso de fungos amarelos foi relatado em Ghaziabad, cidade no estado de Uttar Pradesh, depois de uma pessoa que se recuperou da COVID-19 ter sido levada às pressas a um hospital sangrando do nariz e dos olhos.

    De acordo com os médicos, o fungo branco visa os pulmões, o fungo preto ataca o cérebro, enquanto a variante amarela afeta ambos os órgãos, apesar de não ser contagiosa. Sintomas dela incluem letargia, perda de peso e de apetite, e mais graves, como olhos afundados ou a formação e vazamento de pus.

    O paciente atualmente está sendo tratado com medicação antifúngica em um hospital privado de otorrinolaringologia. As injeções de anfotericina B são supostamente o único tratamento conhecido útil no combate à infecção.

    De acordo com o dr. Oommen John, membro do Instituto George para Saúde Global da Índia, "não é suposto que os fungos cresçam dentro do corpo humano".

    "Há boas bactérias presentes ao redor de nossa boca e nariz para combater a infecção. Uma grande ingestão de esteroides matou as medidas naturais de proteção, abrindo o caminho para o crescimento de fungos", explicou o médico à Sputnik na segunda-feira (24).

    A Índia tem lutado contra mucormicose em meio a uma onda mortal de coronavírus que já levou a vida a de mais de 300.000 pessoas no país.

    A infecção pós-recuperação, a mucormicose, conhecida como fungo preto, é uma infecção rara do grupo de fungos Mucormycetes. O fungo, embora encontrado naturalmente no ambiente, afeta aqueles com o sistema imunológico enfraquecido devido à alta ingestão de esteroides como a dexametasona.

    Especialistas sugerem que a infecção pode aparecer de oito a dez dias após a detecção da COVID-19, e até 60 dias após a recuperação, com a Índia relatando pelo menos nove mil casos dessa infecção.

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    Nova Deli estende lockdown pela 5ª vez em meio à explosão da COVID-19 na Índia
    Bactérias achadas em excremento de cobra mostram resistência a antibióticos e ameaçam saúde humana
    Índia refuta versão de SARS-CoV-2 criado em laboratório da China e quer investigar 'fonte zoonótica'
    Tags:
    Sputnik News, Sputnik, Ghaziabad, Uttar Pradesh, COVID-19, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar