09:32 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no final de fevereiro de 2021 (71)
    0 60
    Nos siga no

    As proteínas de espícula do coronavírus têm comportamento correlacionado, começando uma a se mover assim que outra o faz, segundo um estudo norte-americano.

    A facilidade de infecção pelo SARS-CoV-2 poderia ser explicada pelo fato de suas proteínas de espícula operarem de forma cooperativa, anunciou o Centro de Computação Avançada do Texas, EUA.

    "Elas não se movem independentemente, como um conjunto de movimentos aleatórios não correlacionados", relatou Gregory Voth, professor da Universidade de Chicago, EUA, e coautor do estudo publicado na revista Biophysical Journal.

    "Elas trabalham juntas."

    Para descobrir isso, os cientistas estudaram a superfície do novo coronavírus, realizando simulações da dinâmica molecular do aproximadamente 1,7 milhão de átomos que compõem a proteína da espícula e algumas experiências adicionais.

    O sistema de simulação foi desenvolvido por Rommie Amaro, professora de química e bioquímica na Universidade da Califórnia, em San Diego, EUA, em conjunto com "o método desenvolvido por Voth", conseguindo aprender com a informação dada e "ir mais além" na simulação da infecção de uma célula por um vírus, disse ela.

    A equipe descobriu que as chances de o microrganismo se prender ao receptor ACE2, a forma mais fácil de infectar humanos, são aumentadas pela ligação entre as espículas, com uma proteína se movendo assim que outra o fizer.

    A pesquisa também revelou que a parte superior da espícula se desprende durante a fusão com o ACE2 da célula hospedeira, um processo que disseram nunca antes ter sido observado com um microscópio.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no final de fevereiro de 2021 (71)

    Mais:

    Cientistas explicam maior perigo da cepa britânica da COVID-19
    Coinfecção detectada no Brasil pode levar a criação de novas variantes da COVID-19, diz virologista
    Estudo demonstra efeito destrutivo do coronavírus no cérebro
    Tags:
    San Diego, Universidade da Califórnia, Universidade de Chicago, EUA, Texas, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar