02:19 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Geneticistas britânicos informaram sobre o fim de um estudo de grande escala da diversidade da microbiota intestinal humana, resultando em identificação de cerca de 140 mil vírus que habitam no intestino, mais da metade dos quais nunca foram vistos antes.

    O artigo com os resultados do estudo foi publicado em 18 de fevereiro na revista científica Cell.

    O intestino humano representa um ambiente biológico extremamente diversificado. Além de bactérias, neste habitam dezenas de milhares de vírus, chamados bacteriófagos, que podem infectar apenas bactérias, mas hoje em dia existe relativamente pouca informação sobre seu impacto na saúde humana.

    O estudo, realizado pelo Instituto Wellcome Sanger britânico e o Instituto Europeu de Bioinformática (EMBL-EBI), incluiu a análise de mais de 28 mil amostras intestinais coletadas de pessoas de todo o mundo.

    Utilizando o método de sequenciamento de DNA de comunidades mistas de organismos, os especialistas detectaram e catalogaram 142.809 espécies de vírus, mais da metade dos quais nunca tinham encontrado antes. A quantidade e diversidade dos vírus impressionaram os pesquisadores.

    "É importante lembrar que nem todos os vírus são prejudiciais, mas representam um componente do ecossistema intestinal", disse um dos autores do estudo, dr. Alexandre Almeida, em comunicado do Instituto Wellcome Sanger. "É fascinante ver quantas espécies desconhecidas vivem em nosso intestino e tentar desvendar a ligação entre elas e a saúde humana", adicionou.

    Os autores notam que a maioria dos vírus revelados não representam nenhum perigo ao ser humano, uma vez que possuem DNA e diferenciam-se dos perigosos vírus com RNA, como SARS-CoV-2 ou vírus zika. Como prova disso, todas as amostras foram obtidas de pessoas saudáveis, sem quaisquer doenças específicas.

    "Os estudos de bacteriófagos atualmente passam por um período de renascimento. Este catálogo de alta qualidade em grande escala dos vírus intestinais surgiu no tempo certo, para servir de fundamento às pesquisas futuras do viroma", declarou o chefe do estudo Trevor Lawley.

    Mais:

    Bactéria letal recém-descoberta em chimpanzés pode ser transmitida aos humanos, sugere estudo
    Lula tem alta após ser internado com bactérias na corrente sanguínea
    Bactérias surgidas devido à COVID-19 podem ser tratadas com componentes originários do Ártico
    Tags:
    cientistas, ser humano, vírus, intestino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar