20:48 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de novembro (90)
    210
    Nos siga no

    A Pfizer anunciou hoje (18) em comunicado que os resultados finais dos testes de sua vacina contra a COVID-19 mostraram efetividade de 95% e acrescentou que solicitará aprovação para uso emergencial nos Estados Unidos.

    A companhia farmacêutica afirmou que a eficácia da vacina desenvolvida em conjunto com a alemã BioNTech SE foi consistente em grupos demográficos por etnia e faixa etária, e acrescentou que não foram detectados efeitos adversos importantes.

    "A análise dos dados indica uma taxa de eficácia da vacina de 95% [p <0,0001] em participantes sem infecção prévia por SARS-CoV-2 [primeiro objetivo primário] e também em participantes com e sem infecção prévia por SARS-CoV-2 [segundo objetivo primário], em cada caso medido a partir de sete dias após a segunda dose. [...] A eficácia foi consistente em dados demográficos de idade, sexo, raça e etnia", disse a Pfizer na nota.

    De acordo com a Pfizer, o imunizante - que utiliza a tecnologia denominada "RNA mensageiro (mRNA)" - registrou eficácia de 94% em adultos maiores de 65 anos, um dos grupos mais vulneráveis ao vírus. A companhia norte-americana acrescentou que, durante os testes com mais de 43 mil voluntários, reportou 170 casos de COVID-19, dos quais 162 estavam em observação pela aplicação de um placebo e oito tinham recebido doses da vacina experimental. No total, dez pessoas desenvolveram sintomas graves de COVID-19, das quais apenas uma tinha recebido o imunizante.

    ​URGENTE: Temos o orgulho de anunciar, ao lado do grupo BioNTech, que a fase III do estudo de nossa candidata à vacina contra a COVID-19 atendeu a todos os objetivos de eficácia primária.

    Além disso, a companhia informou que a vacina foi bem tolerada e que os efeitos adversos foram, em sua maioria, leves e moderados, e desapareceram rapidamente. Os únicos efeitos adversos severos que corresponderam a 2% ou mais foram fadiga, presenciada em 3,8% dos voluntários, e dor de cabeça, presenciada em 2% dos participantes. Já os idosos mostraram ser mais propensos a apresentar febre e efeitos adversos menores depois da inoculação.

    Com o agravamento da pandemia no Hemisfério Norte nos últimos meses, a pressão por uma vacina eficaz e segura aumenta ainda mais para reduzir o peso sobre os sistemas de saúde, pois muitos países vêm sofrendo com recordes de novos casos e hospitalizações.

    "Já que centenas de milhares de pessoas se infectam todos os dias, necessitamos urgentemente entregar uma vacina segura e eficaz ao mundo", disse o diretor-executivo da Pfizer, Albert Bourla, em comunicado.

    Pfizer e BioNTech afirmaram que planejam enviar os dados para outras agências reguladoras no mundo e nos Estados Unidos, e que também pretendem mandar as análises do estudo final para uma revista científica, para que sejam revisadas por seus pares da comunidade científica. Além disso, a companhia informou que espera solicitar uma permissão para o uso emergencial do imunizante à agência reguladora dos Estados Unidos, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês), em questão de dias.

    O grupo farmacêutico assinalou que espera produzir até 50 milhões de doses de vacinas este ano, o suficiente para imunizar 25 milhões de pessoas, e acrescentou que pretende elaborar até 1,3 bilhão de doses em 2021.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de novembro (90)

    Mais:

    COVID-19: Rússia anuncia começo da 3ª fase de testes clínicos da vacina EpiVacCorona
    Pfizer e BioNTech asseguram que sua vacina é mais de 90% eficaz contra COVID-19
    COVID-19: Pfizer propõe novos desafios ampliando voluntários de vacina no Brasil, avalia sanitarista
    Tags:
    Pfizer, pandemia, COVID-19, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar