04:20 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    160
    Nos siga no

    Os cientistas da Universidade Nacional de Pesquisa Nuclear MEPhI elaboraram um método simples, barato, rápido, eficaz e ecológico de detectar a substância tóxica aflatoxina-B1 em alimentos. Os resultados da pesquisa, publicada na revista Journal of Food Composition and Analysis, permitirão zelar pela segurança dos alimentos.

    A aflatoxina-B1, emitida por alguns bolores microscópicos, é uma substância química venenosa para o homem e para os animais. Provoca tumores malignos (câncer) e cirrose hepática, além de reduzir a imunidade. Exposição forte à aflatoxina-B1 pode levar a edema cerebral e insuficiência hepática grave, o que geralmente causa a morte, de acordo com a pesquisa.

    Os fungos que produzem a aflatoxina-B1 existem naturalmente em muitos alimentos: leite e produtos lácteos, frutas secas, sementes de girassol, nozes, milho, amendoim, café, cacau, grãos e especiarias. A multiplicação excessiva dos fungos, levando a concentrações perigosas da aflatoxina-B1, pode ocorrer antes e durante a colheita, assim como no decurso da armazenagem e processamento dos alimentos.

    A legislação de diferentes países regulamenta concentrações máximas da aflatoxina-B1 nos alimentos, variando de 4 µg/l (Europa) a 20 µg/l (EUA). Testes de aflatoxina-B1 em alimentos são obrigatórios na Rússia e em outros países.

    A aflatoxina-B1 tem sido alvo de pesquisas desde 1961 – naquele ano, foi a causa da morte em massa de perus no Reino Unido. Nas últimas décadas, vários métodos de detecção da substância foram criados. Os mais populares atualmente são a cromatografia líquida, o ensaio de imunoabsorção enzimática e o uso de biossensores fotoeletroquímicos.

    Frutas secas e nozes no mercado central de Rostov
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Frutas secas e nozes no mercado central de Rostov

    Os pesquisadores da MEPhI propuseram um novo método que, sem ser menos preciso, é mais simples e barato. Outras vantagens do método incluem o alto coeficiente de enriquecimento da substância pesquisada com aflatoxina-B1, o uso mínimo de solvente orgânico e sua influência mínima nas propriedades óticas do complexo.

    "Na primeira etapa, ligamos a aflatoxina-B1 à fluoresceína usando íons de zinco. Depois, criamos redemoinhos na solução para destacar o complexo formado em concentração suficiente e pesquisar seus espectros óticos. Isso permite detectar a presença da aflatoxina-B1 em alimentos. Nosso método é várias vezes mais produtivo e barato que os outros. Permite detectar concentrações da aflatoxina-B1 a partir de 3 µg/l, uma concentração menor que as admitidas legalmente", conta à Sputnik Konstantin Katin, docente do Instituto de Nanotecnologias em Eletrônica, Spintrônica e Fotônica da MEPhI.

    Os cientistas sublinham que os métodos de modelação usados na pesquisa permitiram reduzir várias vezes o número de experimentos e interpretar os resultados dos mesmos. Os cientistas descartaram a escolha gradual das melhores condições para o experimento, ou seja, a otimização de apenas uma variável por etapa (pH da solução, concentração de zinco, quantidade de solvente, concentração da solução quelante, período de formação do redemoinho).

    Em vez disso, o modelo matemático permitia alterar todas as variáveis, levando em conta a interdependência delas e destacando as mais importantes. Graças a isso, o valor de cinco variáveis foi otimizado em apenas 46 experimentos.

    Além disso, cálculos de química quântica foram usados para escolher os agentes químicos, permitindo predizer a eficácia do complexo "aflatoxina-B1–íon de zinco–fluoresceína" e calcular as suas propriedades estruturais, eletrônicas e óticas.

    Os resultados obtidos permitem garantir a segurança de alimentos. A parte experimental da pesquisa foi levada a cabo na Turquia e a teórica na Rússia. A pesquisa visou satisfazer as necessidades da indústria alimentar turca: o método foi testado em avelãs cruas e torradas, passas e figos secos. A Turquia é o maior produtor mundial destes produtos, sendo a parte mais interessada nos resultados da pesquisa. Não obstante, outros países produtores ou importadores de alimentos também podem achar útil este método.

    A pesquisa demonstra a utilidade prática para a indústria alimentar dos métodos de química quântica desenvolvidos na MEPhI. Os cientistas planejam continuar as pesquisas no intuito de modernizar os sistemas de controle de segurança alimentar em diferentes países.

    Mais:

    Após 20 anos, mistério do incomum sistema estelar de nêutrons é revelado graças a 10 mil voluntários
    Como parasita da malária hiberna no corpo humano e reaparece meses depois
    Prêmio Nobel de Química entregue a duas cientistas por desenvolvimento de método de edição de genoma
    Mundo sem urânio e petróleo: contribuição da Rússia para o mais notável projeto energético mundial
    Cientistas descobrem aumento na densidade do espaço fora do Sistema Solar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar