21:24 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    252
    Nos siga no

    A revista científica Nature Astronomy publicou nesta segunda-feira (26) dois estudos que revelam a existência de água na superfície da Lua e confirmam indícios que já vinham sendo levantados desde a década passada.

    A primeira pesquisa é de autoria da cientista da agência espacial norte-americana (NASA) e da Universidade do Havaí (EUA), Casey Honniball.

    Segundo a especialista, as partículas foram encontradas na face iluminada da Lua e "são apenas moléculas de água – porque estão tão espalhadas que não interagem umas com as outras para formar gelo ou estar na forma líquida".

    Até agora, os pesquisadores só haviam detectado água na forma de gelo em áreas da superfície lunar onde o Sol nunca bate, cujas temperaturas podem atingir 184 graus Celsius negativos.

    O lado iluminado do satélite natural da Terra, por sua vez, tem uma temperatura que pode ser superior a 200 graus Celsius. Segundo o estudo, é mais provável que essas moléculas de água estejam na forma de vapor preso no solo.

    A água encontrada pelo experimento está localizada na Cratera Clavius, no hemisfério sul do satélite natural, e equivale a 350 mililitros em um metro cúbico de solo.  

    Moléculas de água foram encontradas na Cratera Clavius, uma das maiores crateras da Lua visíveis da Terra! Essa descoberta do telescópio SOFIA indica que a água pode estar distribuída ao longo da superfície, e não limitada aos lugares mais frios e escuros. 

    A descoberta foi realizada através de dados coletados pelo Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (SOFIA, na sigla em inglês), uma iniciativa conjunta entre a NASA e o Centro Aeroespacial da Alemanha. O experimento consiste em uma aeronave Boeing 747SP modificada com um telescópio de 2,74 metros, que voa a grande altitude na atmosfera e consegue captar uma visão mais ampla do espaço.

    Água congelada em pequenas crateras

    O outro estudo foi realizado pela Universidade do Colorado em Boulder, também nos Estados Unidos, sob responsabilidade de Paul Hayne, e utilizou imagens do Orbitador de Reconhecimento Lunar (LRO, na sigla em inglês) da NASA. 

    Sabemos há mais de uma década que a hidroxila (OH e/ou H2O) existe na Lua, desde a detecção das missões Cassini, Deep Impact, e ISRO's Chandrayaan-1, mas essas missões não conseguiram separar o sinal de OH para um de H2O.

    Desde então, diversas missões, entre elas a LRO, a LADEE e a LCROSS, detectaram OH/H20 em algumas das regiões mais escuras da Lua, crateras nos polos que nunca viram a luz do Sol, essas áreas são tão frias que a água presente nelas não pode evaporar.

    Nessa pesquisa, os cientistas mapearam diversas crateras e áreas da superfície lunar, de pequeno tamanho, que seriam extremamente frias e teriam capacidade para armazenar água na forma de gelo. Hayne e seus colegas estimam que a soma de todas essas áreas é de aproximadamente 40 mil km².

    Após a confirmação da presença de água na Lua, os pesquisadores tentam agora descobrir como essa água teria chegado ao satélite natural da Terra. Há duas hipóteses principais: as moléculas podem ser resultado do hidrogênio trazido de diversas partes do Sistema Solar por ventos solares, ou a água chegou através de pequenos meteoritos que se chocaram com a Lua durante milhões de anos.

    Mais:

    Lua pode abrigar antigos fragmentos da superfície de Vênus, aponta estudo
    FOTOS de momento fantástico em que foguete passa diante da Lua logo após lançamento
    NASA contrata Nokia para construir rede 4G na Lua
    Tags:
    astronomia, Espaço, NASA, água, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar