23:44 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    170
    Nos siga no

    Cientistas preveem que a anã branca irá perdendo sua massa lentamente à medida que orbita o buraco negro, até ficar reduzida ao tamanho de Júpiter daqui a um trilhão de anos.

    Em uma galáxia localizada a cerca de 250 milhões de anos-luz da Terra, uma estrela logrou sobreviver a um encontro muito próximo com um buraco negro, embora continue em órbita sem possibilidade de fuga, revelou a NASA em 23 de abril.

    Astrônomos, após analisarem dados do Observatório de Raios-X Chandra, da NASA, e do XMM-Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), apuraram que o buraco negro em questão, localizado em uma galáxia chamada GSN 069, tem uma massa 400.000 vezes maior que a do Sol, ou seja, é relativamente pequeno segundo os padrões que definem os buracos negros supermassivos.

    Após ser capturada pela gravidade do buraco negro, a estrela, uma gigante vermelha, foi perdendo suas camadas externas de hidrogênio, deixando apenas seu núcleo, uma anã branca.

    "Na minha interpretação dos dados de raios X, a anã branca sobreviveu, mas não escapou. Está presa agora em uma órbita elíptica ao redor do buraco negro, completando uma volta a cada nove horas", explicou Andrew King, da Universidade de Leicester (Reino Unido), citado pelo portal da NASA.

    Assim, a anã branca completa sua órbita quase três vezes ao dia e, enquanto isso, o buraco negro vai extraindo lentamente seu material quando suas posições orbitais são mais próximas.

    Imagem artística mostra estrela absorvida por um buraco negro
    © Foto / NASA, ESA, and D. Player (STScI)
    Imagem artística mostra estrela absorvida por um buraco negro

    Os cientistas estimam que o efeito combinado de ondas gravitacionais e um aumento no tamanho da estrela, à medida que ela perde massa, deve fazer com que a órbita se torne mais circular e cresça em tamanho. Neste caso, a taxa de perda de massa diminui constantemente, e a anã branca se afasta lentamente em espiral do buraco negro.

    Segundo King, a anã branca "tentará muito fugir, mas não há como escapar. O buraco negro irá consumi-la cada vez mais lentamente, mas sem nunca parar. Em princípio, essa perda de massa continuará mesmo depois que a anã branca fique reduzida à massa de Júpiter, daqui a cerca de um trilhão de anos. Esta seria uma maneira extremamente lenta e complicada de o Universo criar um planeta", concluiu.

    Mais:

    Jatos de plasma lançados por buraco negro supermassivo são captados por astrônomos (FOTOS)
    Após 24 anos 'dormindo', buraco negro se manifesta em todo seu esplendor
    Desvendado um dos grandes mistérios do Sistema Solar
    Tags:
    espaço, estrelas, buraco negro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar