11:15 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)
    17521
    Nos siga no

    Cientistas australianos demonstraram que o medicamento antiparasitário ivermectina consegue eliminar o vírus da COVID-19 em apenas 48 horas.

    A ivermectina é um medicamento antiparasitário que demonstrou ser eficaz in vitro contra uma ampla variedade de vírus, inclusive VIH, a dengue, a gripe e o vírus Zika.

    "Descobrimos que uma só dose poderia essencialmente eliminar todo o RNA viral em 48 horas e que mesmo em 24 horas havia uma redução realmente significativa", disse Kylie Wagstaff, a cientista que dirigiu o estudo, escreve portal Science Daily.

    Até agora, foram apenas realizados testes in vitro, ou seja, fora dos sistemas vivos, em um ambiente controlado e fechado de laboratório. A realização de testes em pessoas seria o próximo passo da investigação.

    "A ivermectina é muito utilizada e considerada um medicamento seguro. Agora precisamos descobrir se a dose que pode ser usada em humanos será eficaz, esse é o próximo passo", avançou a pesquisadora.

    Vale destacar que ainda não é conhecido o mecanismo pelo qual a ivermectina mata o vírus. Com base nos efeitos em outros vírus, é provável que o fármaco impeça que o vírus diminua a capacidade das células hospedeiras para o eliminar.

    O uso da ivermectina para combater o novo coronavírus dependeria dos resultados de mais testes pré-clínicos e, em última fase, de testes clínicos.

    O estudo é liderado pelo Instituto de Descobertas em Biomedicina da Universidade de Monash em Melbourne, Austrália.

    Tema:
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)

    Mais:

    Número de mortos por coronavírus nos EUA ultrapassa 8.500
    Com 60 mortes em 1 dia, Brasil já registra 359 vítimas fatais pelo novo coronavírus
    Rússia vai calcular número de pessoas com imunidade ao coronavírus
    Tags:
    dengue, Zika, vírus, doença, COVID-19, medicamento, novo coronavírus, pesquisa, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar